Salário mínimo 2020 de Santa Catarina é aprovado chegando a R$1.391

Modificações salariais em Santa Catarina. Nessa quarta-feira (4), o governador do Estado, Carlos Moisés, validou o projeto de lei que tem como finalidade definir o valor do salário mínimo 2020 regional. A partir de agora, os trabalhadores receberão quantias que irão variar entre R$ 1.215 e R$ 1.391, a depender da faixa em que esteja inserido.

Salário mínimo 2020 de Santa Catarina é aprovado chegando a R$1.391 (Imagem: Reprodução - Google)
Salário mínimo 2020 de Santa Catarina é aprovado chegando a R$1.391 (Imagem: Reprodução – Google)

Os pagamentos começarão a entrar em vigor já nesta quinta-feira (5), após a publicação do decreto no Diário Oficial da União. O reajuste apresenta um acréscimo médio de 4,96%, fazendo com que os catarinenses passem a receber mais do que em 2019.

Leia também: Salário família pode aumentar renda do trabalhador; veja como receber

Segundo a Secretária da Casa Civil, a quantia deverá ser retroativa, isso significa que os valores se aplicarão também em salários dos meses de janeiro e fevereiro.

Confira o valor do salário mínimo 2020 em SC por faixa:

Primeira faixa:

Nessa categoria, o pagamento será de R$ 1.215, sendo ofertado para os trabalhadores envolvidos nas seguintes atividades:

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Novo Cartão de crédito queridinho do Brasil, sem anuidade e que você pode solicitar agora 34.787 pessoas já solicitaram
  • Na agricultura e na pecuária;
  • Nas indústrias extrativas e beneficiamento;
  • Em empresas de pesca e aquicultura;
  • Empregados domésticos;
  • Em turismo e hospitalidade; (redação da alínea revogada pela lpc 551/11).
  • Nas indústrias da construção civil;
  • Nas indústrias de instrumentos musicais e brinquedos;
  • Em estabelecimentos hípicos;
  • Empregados motociclistas, motoboys, e do transporte em geral, com exceção dos motoristas.

Segunda faixa:

Para este grupo, o pagamento será de R$ 1.260, destinado aos profissionais das áreas abaixo:

  • Nas indústrias do vestuário e calçado;
  • Nas indústrias de fiação e tecelagem;
  • Nas indústrias de artefatos de couro;
  • Nas indústrias do papel, papelão e cortiça;
  • Em empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas;
  • Empregados da administração das empresas proprietárias de jornais e revistas;
  • Empregados em empresas de comunicações e telemarketing; e
  • Nas indústrias do mobiliário.

Leia também: Programa Verde e Amarelo vai permitir renovação de contrato

Terceira faixa:

Nesse caso, o salário ficou fixado em R$ 1.331 e será ofertado para os seguintes setores:

  • Nas indústrias químicas e farmacêuticas;
  • Nas indústrias cinematográficas;
  • Nas indústrias da alimentação;
  • Empregados no comércio em geral;
  • Empregados de agentes autônomos do comércio.

Quarta faixa:

Por fim, o grupo com o salário mínimo 2020 mais baixo, tem como grande maioria pessoas com o ensino básico. O valor do pagamento será de R$ 1.391, ofertado para serviços mais operacionais, como:

  • Nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico;
  • Nas indústrias gráficas;
  • Nas indústrias de vidros, cristais, espelhos, cerâmica de louça e porcelana;
  • Nas indústrias de artefatos de borracha;
  • Em empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito;
  • Em edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares, em turismo e hospitalidade;
  • Nas indústrias de joalheria e lapidação de pedras preciosas;
  • Auxiliares em administração escolar (empregados de estabelecimentos de ensino);
  • Empregados em estabelecimento de cultura;
  • Empregados em processamento de dados;
  • Empregados motoristas do transporte em geral;
  • Empregados em estabelecimentos de serviços de saúde.

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.