13° do BPC beneficiaria idosos e deficientes, mas governo quer barrar pagamento

A base aliada ao governo do Jair Bolsonaro tem se mostrado contrária a criação do pagamento fixo do 13° do BPC. A parcela seria uma extensão do décimo terceiro salário do Bolsa Família, presente em uma medida provisória a ser votada no Congresso. 

13° do BPC beneficiaria idosos e deficientes, mas governo quer barrar pagamento
13° do BPC beneficiaria idosos e deficientes, mas governo quer barrar pagamento (Imagem:Reprodução/Google)

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é pago para aos idosos acima de 65 anos e para pessoas com deficiência, desde que esses grupos comprovem baixa renda.

Leia também: BPC-LOAS: cuidados para evitar ter o benefício bloqueado

A oposição do presidente Jair Bolsonaro usou a medida provisória que aprovou o pagamento do 13° salário no ano passado aos inscritos no Bolsa Família, para estender a medida e prestar assistência aos mais pobres. O texto da Medida Provisória garantia o pagamento extra apenas para o ano de 2019. 

O relator da MP, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), apresentou algumas mudanças no texto para que a parcela adicional se tornasse permanente e que se estendesse para a criação do 13° do BPC.

Essa ampliação, de acordo com os cálculos de consultores do congresso, traria um gasto anual de R$5 bilhões. Para o 13° pago permanente o custo seria de R$2,6 bilhões por ano.

Atualmente, além de cumprir com os requisitos para ter direito ao benefício os interessados no BPC precisam estar inscritos no Cadastro Único. O repasse é feito pelo INSS, sem necessidade de contribuição, mas não garante pensão por morte ou abono natalino.

Ontem (18), estava prevista uma votação em uma comissão formada por deputados e senadores para analisar as mudanças no texto. Porém, a sessão não foi realizada por conta da ausência da maior parte dos membros.

O governo está utilizando essa estratégia para não aprovar e vêm funcionando, pois desde o mês de fevereiro a comissão não consegue votar o relatório do senador da oposição.

Essa disputa deve seguir até o final do mês de março, no período em que a medida perderá o prazo e vai acabar caducando. 

Leia Também: Salário mínimo aumenta, mas não é suficiente para sustentar famílias

Apesar disso, o governo estuda uma contraproposta para que cubra o texto do presidente, nos quais os gastos de despesas deverão ser realizados para abrir espaço para novos desembolsos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA