Entrega dos imóveis do Minha Casa Minha Vida em Uberaba atrasam 7 anos

Cidadãos da cidade de Uberaba encontram dificuldades para poder realizar o sonho da casa própria. Na região, as obras sob responsabilidade do Minha Casa Minha Vida não estão sendo entregues, fazendo com que os beneficiários esperem por mais de 7 anos. Segundo um levantamento feito pelo portal G1, há cerca de 540 imóveis inacabados, tendo suas estruturas desgastadas pelo tempo e abandono da reforma.

Entrega dos imóveis do Minha Casa Minha Vida em Uberaba estão atrasadas há 7 anos (Imagem: Reprodução - Google)
Entrega dos imóveis do Minha Casa Minha Vida em Uberaba estão atrasadas há 7 anos (Imagem: Reprodução – Google)

O motivo pela paralisação ainda não foi informado oficialmente, mas acredita-se, entre outras coisas, estar associado a atual crise no projeto.

Desde o fim de 2019, o governo federal vem passando por um período de instabilidade no que diz respeito a homologação das novas regras de funcionamento do empréstimo.

Leia também: Crise no Minha Casa Minha Vida exclui milhares de beneficiados todos os dias

Além disso, desde as primeiras semanas deste ano, com a aprovação da Lei Orçamentária, pode-se constatar que o MCMV está com valores muito inferiores ao necessário para que possa garantir seu funcionamento.

Na última semana, o atual ministro do desenvolvimento regional, Rogério Marinho, anunciou a liberação de novos recursos dentro desse primeiro trimestre para poder conter a situação.

Com o levantamento feito, contatou-se que mais de 80% das obras previstas pelo MCMV em Uberaba foram executadas, entretanto tais imóveis deverão ser reformados graças ao abandono por parte do poder público e das empreiteiras.

Enquanto há uma porcentagem relevante de conjuntos habitacionais paralisados, o número de pessoas na fila, esperando por seus lares, segue aumentando.

Ellen Cristina Pereira, dona de casa e beneficiaria cadastrada no Bairro Alfredo Freire IV, aguarda a liberação de sua casa há mais de 7 anos.

“Fiz a inscrição para pessoa solteira. Depois engravidei, mudei os papéis e meu filho agora tem sete anos, ou seja, tem sete anos que estou esperando a casa. No momento estou desempregada e aumenta mais ainda a angústia. É um sonho até difícil de falar porque a gente espera há tanto tempo e estamos ansiosos pela casa”, explicou.

Para esse grupo, as obras foram iniciadas a partir de 2013, recebendo um investimento de R$ 35,1 milhões.

Apesar da previsão de finalização ser em 2014, o processo foi abandonado pela construtora ElGlobal no mesmo período e só voltou a ser retomado em 2018 pela Empresa Resecom. Atualmente, a entrega das chaves está prevista para 2021.

Leia também: Investimento Banco Inter é aprimorado com plataforma PAI; conheça os serviços

“Como toda obra do ‘Minha Casa, Minha Vida’ passou por inúmeras dificuldades, o governo federal se tornou inerte. No ano passado, só quatro medições foram pagas para as construtoras no país todo. Em Uberaba, a construtora que assumiu o serviço iniciou a obra por uma parte que escolhemos junto com a Caixa, que era a construção dos muros de arrimo – o que ficaria muito caro para os moradores se eles tivessem que assumir isso”, explicou Marcos Jammal, presidente da Companhia Habitacional do Vale do Rio Grande (Cohagra).

Por meio de nota, a Empresa Resecom Construtora LTDA, alegou que os serviços estão sendo realizados dentro do planejamento feito na hora de aprovar os projetos.

Além disso, alegrou que o cronograma precisa levar em consideração o valor orçamentário contratado e vem sendo impactado por meio das últimas decisões do governo federal.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA