Números positivos de venda nesse fim de ano são desmentidos pelo Ibope. Na última semana, uma polêmica sobre a porcentagens das vendas de Natal acabou se espalhando pelos portais de notícia. Uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira dos Lojistas de Shopping (Alshop), informava que as vendas tiveram um acréscimo de 9,5%. Entretanto, segundo o Ibope, os dados são uma falsos.

publicidade
Ibope desmente notícia sobre aumento nas vendas de Natal
Ibope desmente notícia sobre aumento nas vendas de Natal
publicidade

Ao divulgar seu estudo, o Alshop informou que teria chancelado as informações com o Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística. Porém, em seu site, o Ibope publicou uma nota informando que não repassou dado algum para tal levantamento, negando seu envolvimento.

Leia também: Valor do DPVAT 2020 é reduzido; veja a nova tabela

“O IBOPE Inteligência esclarece que não realizou pesquisa sobre o crescimento das vendas em shoppings durante o período de Natal”, diz a nota.

A ação começou a ser problematizada graças a contestação da Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos), que informou que deverá entrar na justiça para desmentir os números.

Apesar de não ter sua própria pesquisa, a Ablos anualmente realiza uma sondagem com seus associados. Esse ano, seu levantamento mostrou que 70% dos entrevistados alegaram que as vendas de Natal de 2019 foram iguais ou piores do que as de 2018, enquanto só 30% disseram que tinham conseguido vender mais em relação ao último ano.

Em entrevista ao Broadcast, da Agência Estado, Tito Bessa Júnior, que é presidente da Ablos, informou que os dados apresentados pelo Alshop são mentirosos e estão gerando brigas entre os lojistas.

Ele diz que ao fornecer tais números os vendedores se questionam sobre suas vendas e passam a acreditar que estão desiguais em comparação aos concorrentes.

“A pesquisa da Alshop é falsa, é fake news. Ela está gerando desconforto e revolta entre os lojistas”, afirmou.

Expectativa e realidade sobre as vendas de Natal

Até o mês de novembro a expectativa era de um fim de ano com maior lucratividade devido a liberação de benefícios como o décimo terceiro salário e saque-imediato do FGTS.

Nesse segundo semestre, tais auxílios injetaram bilhões na economia nacional e por isso criou-se uma possibilidade de viver um natal com mais vendas e mesa farta.

Entretanto, até então não se pode afirmar que o resultado tenha sido positivo. A elevação de preço de alguns produtos, como carnes e demais itens da cesta básica, por exemplo, podem impactar no desfecho das vendas.

Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.