REDUÇÃO em valores do INSS gera estranhamento entre os idosos

No Diário Oficial da União de hoje (4), uma nova regra foi estabelecida para os empréstimos consignados concedidos a aposentados e pensionistas pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Essa mudança foi resultado da colaboração entre o Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) e o Ministério da Previdência Social (MPS).

A principal alteração é a fixação do limite máximo de juros para empréstimos consignados em 1,72% ao mês. Além disso, a resolução sugere uma nova taxa de 2,55% ao mês para operações realizadas por meio de cartão de crédito e cartão consignado de benefício, em substituição às taxas anteriores de 1,76% e 2,61%, respectivamente.

Essa mudança visa proporcionar uma oportunidade para bancos e instituições financeiras ajustarem suas taxas de juros, possibilitando potenciais reduções. As novas taxas serão aplicadas cinco dias após a publicação da resolução no Diário Oficial da União. O objetivo é beneficiar aposentados e pensionistas, ao mesmo tempo em que estimula um ambiente mais competitivo no mercado financeiro.

INSS com juros mais baixos nos empréstimos

A decisão de reduzir os juros foi aprovada por unanimidade pelos 20 representantes presentes na última reunião do Conselho, realizada em fevereiro. Essa medida está alinhada à estratégia do ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, de ajustar os juros do consignado do INSS de acordo com as variações da Selic, a taxa básica de juros da economia, sob a responsabilidade do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC).

Apesar de ser uma mudança significativa que busca beneficiar os aposentados e pensionistas, a redução nos valores do INSS tem gerado questionamentos entre os idosos. Embora seja positiva para o acesso ao crédito, levanta preocupações sobre os impactos nas condições financeiras dessa parcela da população (que pode ficar ainda mais endividada).

Essas alterações nas taxas de juros do crédito consignado têm o objetivo de promover efeitos positivos na economia, incentivando a concessão de empréstimos e melhorando as condições financeiras para aposentados e pensionistas. No entanto, fazer um empréstimo consignado pode não valer a pena em algumas situações. Para entender os riscos e quem pode solicitar essa modalidade de crédito, clique aqui.

Ariel França
Jornalista especializado em Direito Administrativo, Gestão Pública e Administração Geral. Possui mais de uma década de experiência em produção de conteúdo para a internet.