INSS vai suspender benefícios de quem não fizer a prova de vida? Entenda

Segurados do INSS estão sendo notificados sobre a necessidade de fazerem a prova de vida. Procedimento é feito para evitar pagamentos indevidos ou fraudes. Segurados não precisam se deslocar até uma agência; veja como será feita essa comprovação.

INSS vai suspender benefícios de quem não fizer a prova de vida? Entenda
INSS vai suspender benefícios de quem não fizer a prova de vida? Entenda (Imagem: FDR)

Notícias circulam sobre uma possível suspensão dos benefícios do INSS caso o segurado não faça as prova de vida. Isso tem gerado muita preocupação entre os beneficiários, mas, na verdade essa informação é falsa. Inclusive, a forma como o procedimento é feito atualmente acabou mudando nos últimos anos.

Prova de vida do INSS

  • A prova de vida é o procedimento que comprova que o segurado está vivo, garantindo que ele continue recebendo o benefício.
  • Ela é feita pelos segurados que recebem benefícios de longa duração.
  • Entre eles estão a aposentadorias, pensão por morte e benefícios por incapacidade.
  • Recentemente o Instituto enviou um comunicado através do aplicativo Meu INSS para 2.961.868 segurados nascidos em janeiro e fevereiro.
  • A partir disso começaram a circular as notícias de que os segurados precisariam comparecer em uma agência para fazer a prova.
  • Acontece que desde 2022 o próprio INSS faz a busca ativa dos segurados.
  • Isso significa que eles não precisam mais se deslocar até uma agência bancária ou do Instituto para fazer a comprovação.
  • As esquipes do Instituto Nacional do Seguro Social vão se deslocar até as residências dos segurados para fazer o procedimento.
  • Com isso é importante manter os dados pessoais atualizados no sistema, saiba mais.
  • Segundo informação do INSS, ao todo,351.557 pessoas com datas de aniversário de janeiro a março não tiveram suas informações confirmadas.
  • De acordo com o Instituto, são utilizadas diversas bases de dados para a prova de vida.
  • Inclusive, o INSS trabalha para utilizar mais bases de dados de órgãos públicos e ampliar o cruzamento de dados.

Jamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.