R$ 7 bilhões em dinheiro esquecido ainda pode ser retirado; saiba como

Pontos-chave
  • Cerca 62,98% dos resgates do dinheiro esquecido devem ser de até R$ 10;
  • O beneficiário com dinheiro esquecido em mais de uma faixa é contado mais de uma vez;
  • A consulta é simples, exigindo apenas CPF e data de nascimento ou CNPJ e data de abertura para acesso.

No mês de outubro, o Sistema de Valores a Receber (SVR) revelou que aproximadamente R$ 7,5 bilhões em dinheiro esquecido permanecem disponíveis para resgate, conforme divulgado pelo Banco Central (BC) na última quinta-feira, 7. 

R$ 7 bilhões em dinheiro esquecido ainda pode ser retirado; saiba como
R$ 7 bilhões em dinheiro esquecido ainda pode ser retirado; saiba como.(Imagem: FDR)

O SVR, um serviço oferecido pela instituição, permite uma consulta sobre dinheiro esquecido em bancos, consórcios ou outras instituições, abrangendo tanto pessoas físicas quanto empresas, incluindo aquelas já falecidas. Segundo o BC, desse total, estão disponíveis:

  • R$ 6 bilhões para 40,6 milhões de CPFs.
  • R$ 1,5 bilhão para 3 milhões de CNPJs.

De acordo com a instituição, 62,98% dos resgates do dinheiro esquecido devem ser de até R$ 10. Veja:

  • Entre R$ 0 e R$ 10 – 62,98%;
  • Entre R$ 10,01 e R$ 100 – 25,71%;
  • Entre R$ 100,01 e R$ 1.000 – 9,64%;
  • Acima de R$ 1.000,01 – 1,68%.

Número de beneficiários por faixa de valor a receber:

  • Entre R$ 0,00 e R$ 10,00: 31.390.932 beneficiários;
  • Entre R$ 10,01 e R$ 100,00: 12.813.948 beneficiários;
  • Entre R$ 100,01 e R$ 1.000,00: 4.806.330 beneficiários;
  • Acima de R$ 1.000,01: 835.394 beneficiários.

Segundo o BC, o beneficiário com dinheiro esquecido em mais de uma faixa é contado mais de uma vez. Até outubro, R$ 5,3 bilhões já tinham sido resgatados.

Como consultar dinheiro esquecido?

Se você busca recuperar dinheiro esquecido em bancos, consórcios ou outras instituições, pode utilizar o SVR para consultar. Este sistema é aberto para pessoas físicas, jurídicas e até mesmo falecidos que tenham valores não resgatados. 

A consulta é simples, exigindo apenas CPF e data de nascimento ou CNPJ e data de abertura para acesso. O SVR proporciona uma oportunidade de recuperar fundos esquecidos, atendendo a uma ampla gama de indivíduos, desde aqueles comuns até entidades comerciais e representantes legais de pessoas falecidas. 

A recuperação de dinheiro é viável através desta plataforma do Banco Central. A instituição reforça orientações de segurança para a consulta. Confira:

  1. O único site onde você pode consultar e saber como solicitar a devolução dos seus valores, da sua empresa ou de pessoas falecidas é o https://valoresareceber.bcb.gov.br
  2. Todos os serviços do Valores a Receber são gratuitos. Não faça nenhum tipo de pagamento para ter acesso aos valores.
  3. O Banco Central não envia links nem entra em contato com você para tratar sobre valores a receber ou para confirmar seus dados pessoais.
  4. Somente a instituição que aparece no Sistema de Valores a Receber é que pode te contatar e ela nunca vai pedir sua senha.
  5. Não clique em links suspeitos enviados por e-mail, SMS, WhatsApp ou Telegram.

Como resgatar o dinheiro esquecido?

  • Acessar o site valoresareceber.bcb.gov.br na data e no período de saque informado na primeira consulta. Caso tenha esquecido que dia era esse, é possível voltar ao sistema na repescagem;
  • Faça login com a conta Gov.br (nível prata ou ouro);
  • O resgate é autorizado para quem tem conta acima do nível bronze. Se o cidadão ainda não tiver conta nesse nível, deve fazer logo o cadastro ou aumentar o nível de segurança (no caso de contas tipo bronze) no site ou no aplicativo Gov.br;
  • O BC aconselha o correntista a não deixar para criar a conta e ajustar o nível no dia de agendar o resgate;
  • Leia e aceite o termo de responsabilidade;
  • Verifique o valor a receber, a instituição que deve devolver o valor e a origem (tipo) do valor a receber. O sistema poderá fornecer informações adicionais, se for o caso;
  • Clique na opção indicada pelo sistema: “Solicitar por aqui”: para devolução do valor via Pix, em até 12 dias úteis. O usuário deverá escolher uma das chaves Pix, informar os dados pessoais, e guardar o número de protocolo caso precise entrar em contato com a instituição;
  • Ou clique em “Solicitar via instituição”: voltado para usuários que não têm Pix. Neste caso, será preciso entrar em contato pelo telefone ou e-mail informado para combinar com a instituição a forma de retirada;
  • Canais de atendimento da instituição vão aparecer na tela de informações dos valores a receber;
  • O cidadão vai ter que esperar em uma fila virtual se tiver muita gente querendo entrar no sistema ao mesmo tempo. O BC diz que o sistema vai informar o número de usuários na sua frente e a estimativa de tempo de espera.

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.