CASHBACK garante dinheiro DE VOLTA para os consumidores de itens básicos

Pontos-chave
  • Uma nova política de cashback está sendo analisada pelo Governo Federal;
  • A medida está diretamente relacionada ao texto da Reforma Tributária;
  • A devolução dos impostos sobre o consumo, por meio do cashback, é uma forma de promover a justiça fiscal e proporcionar um alívio financeiro.

Prepare-se para uma revolução na economia brasileira! Uma nova política de cashback está sendo analisada pelo Governo Federal, trazendo a possibilidade de os cidadãos resgatarem dinheiro de volta em situações específicas. Acompanhe os detalhes dessa proposta inovadora!

CASHBACK garante dinheiro DE VOLTA para os consumidores de itens básicos
CASHBACK garante dinheiro DE VOLTA para os consumidores de itens básicos. (Imagem FDR)

Essa política de cashback está diretamente relacionada ao texto da Reforma Tributária, que foi apresentado no final do mês de junho. A proposta visa à devolução de novos tributos incidentes sobre o consumo das pessoas físicas, sendo apelidada pelo Ministério da Fazenda como o “cashback do povo”.

Conforme o novo texto da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 45, a política de cashback será discutida durante o processo de regulamentação da Reforma Tributária, com previsão para ocorrer em 2024. Será nessa etapa que os limites e os beneficiários serão definidos.

No momento, existem diversos exemplos internacionais e também um caso brasileiro que podem servir de referência para o funcionamento dessa política. Em vários países, nos últimos anos, foram implementados programas de devolução de impostos por meio de cartões, benefícios sociais ou sistemas de identificação do contribuinte, como a inclusão do CPF na nota fiscal.

A política de cashback pode trazer benefícios significativos para os consumidores brasileiros, estimulando o consumo consciente e proporcionando uma nova dinâmica financeira. Afinal, quem não gostaria de receber dinheiro de volta nas suas compras?

Como funcionará a nova política de cashback na prática?

Há cerca de uma década, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apresentou uma ideia inovadora: a devolução dos impostos sobre o consumo para a população de baixa renda. 

Essa proposta surge a partir da constatação de que o sistema adotado por diversos países, que concedia benefícios tributários apenas para determinados produtos, beneficiava principalmente a parcela mais rica da população.

Foi observado que o lado oposto desse cenário foi negligenciado, deixando muitas economias sem a devida atenção. Por esse motivo, muitas nações estão adotando mecanismos de tributação personalizada, nos quais o imposto é baseado em quem consome, e não apenas no produto em si.

Essa abordagem revolucionária busca corrigir uma desigualdade existente nos sistemas tributários, garantindo que a população de baixa renda também seja contemplada com benefícios fiscais.

A devolução dos impostos sobre o consumo, por meio do cashback, é uma forma de promover a justiça fiscal e proporcionar um alívio financeiro para aqueles que mais precisam.

À medida que essa ideia ganha força e mais países a adotam, espera-se uma transformação significativa na distribuição de recursos e na inclusão econômica. O cashback para a população de baixa renda pode se tornar uma ferramenta poderosa para impulsionar o desenvolvimento socioeconômico, garantindo que todos os cidadãos tenham a oportunidade de desfrutar dos benefícios gerados pela economia.

Conheça a nova proposta de reforma tributária do Governo Federal

A promessa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é clara: uma reforma tributária que aumente a taxação das camadas mais ricas da população e reduza o impacto sobre os mais pobres. Essa proposta, que busca um sistema mais justo e progressivo, tem sido uma pauta histórica do Partido dos Trabalhadores (PT).

A taxação dos indivíduos mais ricos tornou-se um ponto de convergência entre os partidos políticos, com o intuito de financiar programas de transferência de renda. A reforma tributária, embora ainda não aprovada, permanece no topo das prioridades do governo que assumirá o país em 2023.

Lula pretende elevar a taxação dos mais ricos, um eleitorado-chave do ex-presidente Bolsonaro que ficou profundamente abalado com essa notícia. Para o petista, trata-se de uma abordagem justa e proporcional à renda dos mais privilegiados, buscando fortalecer a questão da justiça social.

O presidente enfatiza a importância de compreender como a incidência do Imposto de Renda deve ser aplicada de acordo com a realidade do país. Em sua visão, aqueles que possuem maiores rendimentos não apenas têm a capacidade, mas também a responsabilidade de pagar impostos mais altos em relação aos contribuintes de baixa renda.

Uma das novas propostas que Lula pretende enviar para análise no Congresso Nacional, se eleito, é a taxação de lucros e dividendos dos mais ricos. No entanto, o petista ressalta que a composição parlamentar pode se tornar um grande obstáculo para efetivar as mudanças no sistema de cobrança de impostos e tributos, com base em suas experiências governamentais anteriores.

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.