Do confisco da Poupança aos esquema de corrupção: Confira nova BOMBA envolvendo COLLOR

O ex-presidente e ex-senador Fernando Collor de Mello, ficou marcado na história por tomar decisões polêmicas que prejudicaram os brasileiros, como por exemplo o confisco da Poupança. Desta vez, ele está envolvido em novos problemas. Veja os detalhes.

Do confisco da Poupança aos esquema de corrupção: Confira nova BOMBA envolvendo COLLOR
Do confisco da Poupança aos esquema de corrupção: Confira nova BOMBA envolvendo COLLOR (Imagem: FDR)

Nesta quinta, 18, o STF (Supremo Tribunal Federal) formou maioria para condenar Fernando Collor por corrupção e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava-Jato. Logo depois, o julgamento foi suspenso e deve seguir na próxima quarta, 24.

Fernando Collor na mira 

O voto do relator, ministro Edson Fachin, prevaleceu e foi seguido pelos ministros Alexandre de Moraes, André Mendonça, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux e Cármen Lúcia. Com a exceção do voto de Mendonça, os outros também votaram para a condenação de Collor pelo crime de organização criminosa.

Collor está respondendo a ação penal em decorrência de condutas irregulares junto à BR Distribuidora. O ex-presidente foi acusado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por recebimento de propina, para apoiar a indicação de diretores e para fraudar contratos da subsidiária da Petrobras.

Foi sugerido por Edson Fachin uma pena de 33 anos, dez meses e dez dias de prisão, em regime incialmente fechado, para o político. No entanto, os debates sobre a pena ficaram para a próxima quarta.

De acordo com o ministro, Fernando Collor “não tem direito à substituição da pena privativa de liberdade por restritivas de direitos, tampouco à suspensão condicional da pena”, no entanto este ponto também será decido depois.

Caso condenação aconteça nos moldes do que o relator sugeriu (os ministros podem mudar de ideia até o fim do julgamento), caberá a Fachin estabelecer quando a pena começa a ser cumprida. Pela tradição do tribunal, geralmente esse marco é a rejeição do segundos embargos de declaração,  recursos que a defesa pode apresentar contra a condenação.

Fernando Collor 

O político foi eleito presidente da República nas eleições de 1989. Collor foi o brasileiro mais jovem a assumir o comando do país, tendo 40 anos na época. Ele também foi o primeiro a sofrer um processo de impeachment.

Diversos escândalos de corrupção ao longo de seu governo juntamente ao desgaste causado  pelo confisco da poupança deixaram Collor sem apoio popular e político. Para tentar escapar da condenação pelo Senado, ele renunciou ao mandado de presidente.

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.