FIM deste salário mínimo! Trabalhadores ganham reajusta na próxima semana

Faltam poucos dias para a entrada do quinto mês do ano de 2023. Maio chegará com mudanças significativas para o bolso de milhões de brasileiros. Tudo porque, a equipe de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prometeu que o reajuste do salário mínimo acontecerá em 1º de maio. Hoje, o piso nacional é de R$ 1.302, mas foi decidido ainda no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). 

FIM deste salário mínimo! Trabalhadores ganham reajusta na próxima semana
FIM deste salário mínimo! Trabalhadores ganham reajusta na próxima semana (Imagem: FDR)

O salário mínimo de R$ 1.302 começou a valer já em 1º de janeiro desse ano, após ter sido decretado por uma Medida Provisória assinada por Jair Bolsonaro em dezembro. Comparado ao pagamento mínimo de 2022, que era de R$ 1.212, o aumento foi de 7,4%. A quantia, no entanto, não havia agradado o presidente Lula e sua equipe que ainda em dezembro propuseram um outro valor.

A quantia sugerida, no entanto, ficava acima do orçamento disponível e por isso foi decidido que a mudança aconteceria ao longo do ano. A partir de 1º de maio o salário mínimo deve subir R$ 18, ou 1,38%, passando a ser de R$ 1.320. Esse foi o valor inicialmente sugerido pela equipe de Lula, mas que não conseguiu ser efetivado desde o início do ano.

Essa mudança ainda não agradou a todos, os sindicatos que representam os trabalhadores, por exemplo, queiram um aumento mais significativo. Para tentar uma solução, foi criado ainda no início desse ano um Grupo de Trabalho que prevê mudanças na política de valorização do piso federal, mas a partir de 2024.

Novo salário mínimo vai afetar bolso dos brasileiros

Segundo estimativas do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), o salário mínimo é a base da remuneração de 60,3 milhões de trabalhadores e beneficiários do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). 

Para se ter uma ideia do seu impacto, quando o piso subiu R$ 90 de 2022 para 2023 a economia sentiu um impacto de R$ 69,3 bilhões. A mudança não afeta apenas o bolso dos brasileiros com carteira de trabalho assinada que receberão uma remuneração maior por 8 horas de serviço diário. Mas também o poder público que usa o piso como mínimo para pagamento de auxílios.

Tudo porque, estima-se que a cada R$ 1 de aumento do mínimo os gastos do poder público sobem R$ 322,8 milhões ao ano. Isso porque, essa quantia afeta as aposentadorias, pensões do INSS, além do PIS/PASEP, seguro-desemprego e do BPC (Benefício de Prestação Continuada).

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: [email protected]