Prepare o bolso: Preços dos produtos e serviços podem subir até 6% neste ano. Entenda o motivo

A inflação é um dos principais problemas da economia e neste ano ela pode impactar ainda mais a vida dos brasileiros. O mercado financeiro elevou sua projeção para a inflação de 2023, que subiu de 5,96% para R$5,98%. O Boletim Focus foi divulgado pelo Banco Central nesta segunda, 10.

Leite ou cebola? Saiba quais os produtos que mais SUBIRAM de preço em agosto
Prepare o bolso: Preços dos produtos e serviços podem subir até 6% neste ano. Entenda o motivo (Imagem: FDR)

O Boletim é divulgado todas as segundas e faz um resumo das projeções estatísticas de analistas procurados pelo Banco Central.

O Conselho Monetário Nacional (CMN) tinha fixado em 2020 a meta de inflação para 2023 em 3,25%, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. O patamar foi considerado baixo pelo atual presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

A inflação do país ultrapassou o limite da meta por dois anos consecutivos, em 2021 e 2022. Roberto Campos Neto, presidente do BC, teve que vir a público explicar a razão do estouro da meta determinada. Segundo o Banco Central, a chance da meta ser estourada novamente este ano é de 83%.

Já para o próximo ano, os analistas de mercado seguiram com a projeção de 4,14%. Este patamar está acima do centro da meta de 2024, de 3%, mas fica abaixo do teto, de 4,5%. 

Os analistas entrevistados não alteraram suas expectativas de 2023 para o aumento do PIB (Produto Interno Bruto) deste ano. A projeção de alta segue em 0,91% nesta semana. 

Também permaneceram as mesmas as estimativas para este ano da taxa básica, a Selic (12,75% ao ano) e dólar (R$ 5,25).

Quanto maior for a inflação, mais baixo é o poder de compra da população, especialmente da parcela mais pobre. Isso acontece pois os preços dos produtos sobem sem que o salário acompanhe os preços.

Taxa Selic 

O mercado financeiro não alterou sua projeção para a taxa básica de juros da economia, Selic. Ela permaneceu estável em 12,75% ao ano para o fim de 2023.

A Selic está atualmente em 13,75% ao ano e o Copom (Comitê de Política Monetária)já sinaliza que os juros irão permanecer em alta por um período mais longo. Diante disso, mercado financeiro continua projetando uma queda dos juros ainda em 2023.

Já para o fim de 2024, a expectativa do mercado para a Selic seguiu estável em 10% ao ano.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.