Nubank é notificado pelo Idec por conta deste motivo

Na última quinta, 6, o Nubank, um dos principais bancos digitais do país, foi notificado pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) após relatos de clientes nas redes sociais. Entenda a situação.

Nubank é notificado pelo Idec por conta deste motivo (FDR)

Clientes do Nubank relataram nas redes sociais fraudes que sofreram a partir da invasão em seus aparelhos. O Idec então remeteu um relato que falava sobre o funcionamento da fraude e perguntou ao Nubank como a empresa tratava a segurança de seus clientes.

A fintech respondeu que mantém “vigilância constante” sobre a utilização de seus serviços. “No Nubank, a segurança é uma prioridade desde o primeiro dia e cooperamos com as autoridades responsáveis pelo cuidado com o consumidor”, afirmou o banco digital, através de nota enviada ao Estadão/Broadcast.

“Reafirmamos o nosso compromisso com a proteção dos nossos mais de 70 milhões de clientes, mantendo uma vigilância constante sobre a utilização dos nossos serviços, incluindo o desenvolvimento de ferramentas de proteção para ajudar os usuários na prevenção e inibição de golpes”, complementou o Nubank na nota.

Nubank notificado 

O banco digital foi notificado pelo Idec em decorrência de relatos postados por clientes do Nubank em redes sociais e sites de reclamações. Estas pessoas alegavam que suas contas tinham sido invadidas por um programa malicioso.

Após a invasão, os relatos diziam que os bandidos teriam conseguido contratar empréstimos em nome das vítimas e ainda teriam efetuado transações de valores elevados.

De acordo com alguns relatos, mesmo com operações que saíam dos padrões de uso dos titulares das contas, os sistemas antifraude do banco não detectou problemas e autorizou as transações. 

O Idec revelou que o Nubank remeteu um alerta por e-mail para os clientes, em que chamou a fraude de golpe do acesso remoto.

Por fim, o Nubank afirmou na nota que possui equipes e canais de atendimento que operam 24 horas para dar atendimento à todas as vítimas. “Em caso de suspeita de movimentação indevida por terceiros, os clientes devem seguir o passo a passo disponível no SOS Nu, hub de segurança da companhia”, finalizou o Nubank.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.