Empréstimo consignado tem novas preocupações apontadas pelo Governo

Na sexta, 24, Fernando Haddad, ministro da Fazenda, disse que o governo Lula vem se preocupando com a questão de beneficiários do INSS que não estão conseguindo pagar o rotativo do consignado. O ministro disse ainda que diversos bancos e financeiras vem praticando taxas nas operações de empréstimo consignado abaixo dos 2% ao mês.

Empréstimo consignado tem novas preocupações apontadas pelo Governo (FDR)
Empréstimo consignado tem novas preocupações apontadas pelo Governo (FDR)

Haddad falou sobre o assunto na última sexta, logo depois de uma reunião do o conselho político no Palácio da Alvorada.

“Alguns bancos já estão com taxa inferior a 2%, mas a gente identificou outros problemas que precisam, que até inspiram mais cuidados até, por exemplo, o rotativo do consignado, uma coisa que preocupa muito, porque muitas famílias não estão conseguindo sair do rotativo do consignado, então nós estamos levantando outros problemas pra dar um encaminhamento”, falou Haddad, segundo o InfoMoney.

Recentemente, os bancos paralisaram de forma temporária a liberação de empréstimo consignado. Isto aconteceu após o Conselho Nacional de Previdência Social cortar de 2,14% para 1,70% ao mês o teto de juros para esta modalidade. Em operações com o cartão consignado, o teto também foi reduzido de 3,06% para 2,62%.

Hoje, 28, acontece uma reunião do CNPS e existe uma expectativa de que o colegiado irá promover uma nova mudança nas taxas do consignado.

Entenda a situação atual do empréstimo consignado

Os bancos tomaram a decisão de suspender o consignado alegando que a nova taxa não é suficiente para garantir a viabilidade econômica das operações.

Bancos privados e públicos, como Banco do Brasil e Caixa, estão entre as instituições que desistiram de operar o consignado após essa decisão do CNPS.

Esta decisão foi criticada por Carlos Lupi, ministro da Previdência Social e mentor da proposta.

Os banqueiros rebateram a crítica afirmando que os bancos não podem operar uma linha de crédito em que o custo embutido fica mais elevado do que a taxa de retorno da operação. Na visão deles, com esta queda dos juros para 1,70% e diante dos riscos de inadimplência, a operação causa prejuízo.

O empréstimo consignado é uma modalidade de empréstimo em que as parcelas são descontadas todos os meses diretamente do benefício previdenciário.

Além dos aposentados e pensionistas do INSS, os trabalhadores com carteira assinada e os servidores públicos também podem pedir o crédito. Nestes casos, o valor das parcelas é desconto da folha de pagamento.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.