Bolsa de Valores: Ação desta empresa caiu 30% após anúncio polêmico

Na última quarta, 8, para tentar esclarecer o que estava saindo no noticiário, uma empresa decidiu explicar o que estava acontecendo de fato. No entanto, esta atitude fez com que os seus papéis despencassem na bolsa de valores. 

Estamos falando da operadora de planos de saúde Hapvida. A empresa explicava as alternativas para levantar capital, o que causou uma derrocada em seus papéis. A Hapvida ressaltou que vem avaliando maneiras de fortalecer sua estrutura financeira, incluindo um possível aumento de capital através da emissão de novas ações.

Desta forma, ontem, 9,  em um pregão cheio de leilões, as ações da empresa fecharam em queda de 33,56%, a R$ 1,94. Desta forma, o valor de mercado da empresa despencou de R$ 20,86 bilhões para R$ 13,86 bilhões em apenas um pregão, ou uma perda de R$ 7 bilhões.

Na quarta, 8, a empresa de planos de saúde disse através de um comunicado que finalizou a liquidação financeira de sua mais recente emissão de debêntures, no total de R$ 750 milhões, ao custo da dívida de CDI+1,70% e prazo de um ano em uma única parcela.

Foi destacado ainda que ela está preparando mecanismos para melhorar sua estrutura de capital, incluindo uma operação de venda e locação de ativos relevantes que envolveriam potenciais investidores. As negociações estão em andamento, afirmou.

Estas explicações foram dadas depois de uma notícia publicada pelo portal Valor Investe com o título “Hapvida coloca à venda dois ativos para enxugar estrutura”. 

“Este movimento se encaixa no contexto de focar os esforços da gestão em seu negócio principal, especialmente após a fusão com a NotreDame Intermédica”, disse a empresa no comunicado, segundo o InfoMoney.  Segundo o jornal, a empresa colocou à venda ativos considerados não estratégicos – a Resgate São Francisco, de transporte de pacientes, e a empresa de tecnologia voltada à saúde Maida.

Ainda no comunicado, a Hapvida afirmou que está frequentemente avaliando novas oportunidades e alternativas para fortalecer sua estrutura de capital junto à sua base acionária, assim como com novos investidores.

Isto engloba a possibilidade de emissão de novas ações em aumento de capital, o que vai depender de condições favoráveis de mercado e aprovações pelos órgãos societários competentes, apontou a empresa.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.