Mais de 400 mil trabalhadores ainda não sacaram o PIS/PASEP. Confira o prazo final do resgate

Segundo informações do Governo Federal, um total de 407.222 trabalhadores ainda não fizeram o saque do PIS/PASEP ano-base 2020. O abono salarial pelo tempo trabalhado no ano em questão, foi liberado oficialmente durante calendário que vigorou entre os meses de fevereiro e março deste ano

Mais de 400 mil trabalhadores ainda não sacaram o PIS/PASEP. Confira o prazo final do resgate
Mais de 400 mil trabalhadores ainda não sacaram o PIS/PASEP. Confira o prazo final do resgate. (Imagem: FDR)

Excepcionalmente neste ano, o governo decidiu liberar saques retroativos do PIS/PASEP. Com esta segunda chance, o abono salarial pode ser obtido até o dia 29 de dezembro de 2022.

Mas nem mesmo o prazo limitado de 10 dias parece ser o suficiente para motivar as retiradas. Desta forma, cerca de R$ 365  milhões permanecem nos cofres da União.

Do total mencionado, 283.813 trabalhadores ainda não resgataram aproximadamente R$ 262,2 milhões referentes ao Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP). Outros R$ 102,7 milhões podem ser sacados por beneficiários do Programa de Integração Social (PIS)

O PIS/PASEP é uma espécie de abono salarial concedido a todos os trabalhadores com carteira assinada que cumprem determinadas regras, como receber até dois salários mínimos. Apesar da denominação unificada, são programas distintos com bancos operadores próprios. 

O Programa de Integração Social (PIS), por exemplo, contempla os trabalhadores da iniciativa privada através da Caixa Econômica. Já o Programa de Formação do Patrimômio do Servidor Público (PASEP) atende os servidores públicos liberando os recursos por meio do Banco do Brasil (BB)

Pela legislação do PIS/PASEP, os trabalhadores podem realizar o saque dentro do prazo de cinco anos contados a partir da data do depósito. No entanto, quem não obtém os valores durante o calendário original de saques, deve aguardar até o próximo cronograma de pagamentos.

Neste caso, excepcionalmente, o Governo Federal concedeu uma segunda oportunidade aos trabalhadores em 2022. Inclusive, no último dia 17 de novembro, a Caixa Econômica liberou um lote complementar do PIS/PASEP para 1,1 milhão de trabalhadores que solicitaram a revisão dos valores ou que decidiram resgatar os abonos salariais antigos

Quem ainda pode resgatar o PIS/PASEP em 2022?

Para receber o PIS/PASEP, o trabalhador precisa constatar o direito ao abono salarial no ano de referência, neste caso, 2022. Em todo o caso, as regras de elegibilidade não foram alteradas nos últimos anos. Sendo assim, é preciso estar de acordo com os seguintes critérios:

  • Estar inscrito nos programas do PIS/PASEP há, pelo menos, cinco anos; 
  • Ter trabalhado com carteira assinada por, pelo menos, 30 dias consecutivos ou não; 
  • Ter recebido até dois salários mínimos;
  • Ter os dados trabalhistas devidamente informados e atualizados na Relação Anual de Informações Sociais (Rais). 

Como solicitar o PIS/PASEP 2022?

O beneficiário pode realizar a solicitação presencialmente, por e-mail ou por aplicativo:

  • Saque presencial: é preciso comparecer a uma das unidades de atendimento do Ministério do Trabalho e Previdência, onde o beneficiário deverá pedir a abertura de recurso administrativo para reenvio do valor à Caixa (PIS) ou ao Banco do Brasil (PASEP);
  • E-mail: o pedido de recurso deverá ser enviado para trabalho.uf@economia.gov.br — no endereço eletrônico, é preciso substituir as letras “uf” pela sigla do estado no qual o trabalhador reside, como “rj”, no caso do Rio de Janeiro.
  • Telefone: Canal “Alô Trabalho”, através do número 158;
  • Aplicativo: Carteira de Trabalho Digital (Android/iOS);
  • Site: Ministério do Trabalho e Previdência.

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!

Laura AlvarengaLaura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.