Suspensão dos PRECATÓRIOS deve afetar o SEU BOLSO; entenda a proposta

Na terça-feira (2), o Colegiado do Conselho da Justiça Federal (CJF) se reuniu para discutir sobre a possibilidade de suspensão no pagamento dos precatórios. A decisão foi tomada após o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (CFOAB) solicitar explicações a respeito do pagamento de honorários para os profissionais nas ações de precatórios.

publicidade
Suspensão dos PRECATÓRIOS deve afetar o SEU BOLSO; entenda a proposta
Suspensão dos PRECATÓRIOS deve afetar o SEU BOLSO; entenda a proposta (Imagem: FDR)

De acordo com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios aprovada em dezembro do último ano, e que permitiu o investimento maior no Auxílio Brasil, alterou a forma de pagamento dos precatórios. O crédito destinado aos clientes estava garantido para agosto de 2022, enquanto os honorários para advogados seria repassado apenas em 2023.

No dia 2 de agosto o CJF decidiu que tanto o crédito referente ao pagamento do solicitante, como o valor concedido pelo trabalho do profissional, deverão ser pagos de forma conjunta. O pagamento dos honorários deve ser proporcional ao limite de 180 salários mínimos do crédito principal.

publicidade

Outro ponto analisado pelo CJF foi a falta de recurso para pagar todos os precatórios que foram liberados para este ano. Foi solicitado R$ 42,8 bilhões para arcar com todos os pagamentos, mas foi recebido apenas 75% do valor necessário, ou seja, R$ R$ 32,4 bilhões.

Para o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), por exemplo, a previsão era de repassar R$ 14 bilhões em precatórios, mas foram liberados somente R$ 11,1 bilhões, o que representa 80% do necessário.

Falta de orçamento vai prejudicar o pagamento dos precatórios?

Desde julho os tribunais regionais federais (TRFs) liberaram a consulta aos precatórios, na ocasião a OAB também enviou ao CJF um requerimento pedindo explicações sobre a falta de pagamento dos honorários. O presidente em exercício do CJF, ministro Jorge Mussi, atendeu o pedido e determinou a suspensão no pagamento até este dia 2.

No entanto, com a nova decisão e embora o orçamento tenha sido diminuído, é muito provável que o pagamento ocorra em breve. “Eu não acredito que haverá atraso no pagamento. Vai ter que ser pago no exercício de 2022. Se há alguma chance de não acontecer? O valor já está nas mãos do Conselho de Justiça Federal, então eu acredito que não tem chance de o pagamento não acontecer“, disse advogado especialista em Previdência, Hilário Bocchi ao IG.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Lila Cunha
Lila Cunha é formada em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Atua como repórter especial para o portal FDR. É responsável por selecionar as informações abordadas e garantir o padrão de qualidade das notícias veiculadas. Além disso, trabalha com apuração de hard news desde 2019, cobrindo o universo econômico em escala nacional.