INSS: dependentes podem CONTRIBUIR para receber a PENSÃO POR MORTE

Uma decisão tomada pela Turma Nacional de Uniformização (TNU) dos Juizados Especiais Federais, alterou as regras da pensão por morte. Este é um benefício do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que libera um salário aos dependentes do segurado falecido. Agora, os dependentes poderão ajudar na contribuição do trabalhador a fim de aumentar o valor recolhido.

publicidade
INSS: dependentes podem CONTRIBUIR para receber a PENSÃO POR MORTE
INSS: dependentes podem CONTRIBUIR para receber a PENSÃO POR MORTE (Imagem: FDR)

A ideia é completar as contribuições que hoje são de 5% do salário mínimo, a mais baixa. Para tanto, os dependentes do segurado do INSS que receberão a pensão por morte poderão fazer esse pagamento complementar. O TNU analisou o Tema 286 que trata deste assunto, e foi favorável aos dependentes.

De acordo com o texto analisado e aprovado, a complementação das contribuições previdenciárias devem ser feitas pós óbito, ou seja, depois do falecimento do segurado. Dessa forma, os dependentes poderão gerar na internet um carnê que vai completar a contribuição mínima de 5%.

publicidade

Hoje, este é o mínimo a ser contribuído ao INSS e vale para pessoas de baixa renda. Por exemplo, donas de casas, vulneráveis e também é a quantia a ser repassada pelo Micro Empreendedor Individual (MEI).

Esta é a alternativa mais vantajosa, quando comparada as demais alíquotas de 11% a 20%. Mensalmente os 5% equivalem a R$ 60,60, quando levado em consideração o salário mínimo de R$ 1.212,00.

Todos os benefícios do INSS são garantidos a quem contribuí nessa faixa, com exceção da aposentadoria por tempo de contribuição. Mas, auxílio doença, salário maternidade, e a pensão por morte, por exemplo, são pagamentos liberados.

Pedido de complementação do INSS na pensão por morte

Não vai ser fácil ter a autorização da Previdência Social para aumentar o valor de contribuição ao INSS, e assim subir o valor da pensão por morte. É o que diz Adriane Bramante, presidente do Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário (IBDP), ao portal IG.

O segurado terá que entrar na Justiça, pois o INSS não aceita pagamento após o óbito mesmo que seja complementação“, informa a advogada.

A orientação é que os familiares façam o pedido em via administrativa, e sendo negado, entrem com uma ação na Justiça. A partir disso, poderão fazer o pagamento maior da contribuição ao pagar o carnê de contribuinte individual.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Lila Cunha
Lila Cunha é formada em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Atua como repórter especial para o portal FDR. É responsável por selecionar as informações abordadas e garantir o padrão de qualidade das notícias veiculadas. Além disso, trabalha com apuração de hard news desde 2019, cobrindo o universo econômico em escala nacional.