Salário de contratação caiu em 9 de cada 10 profissões; confira as maiores quedas

 

publicidade

A crise econômica no Brasil é marcada também por uma grande corrosão no poder de compra dos brasileiros, observável ao longo da última década, mas acentuada desde a pandemia. Um levantamento da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), com base em dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), do Ministério do Trabalho, mostra como a queda de renda alcança a maior parte das profissões.

Das 140 profissões avaliadas no estudo, 120 (91,4% do total) tiveram queda real nos salários de contratação ao longo dos 12 meses até maio deste ano. Ou seja, considerando o quanto era pago ao se contratar os trabalhadores em maio de 2021 e quanto se paga agora, menos a inflação do período (11,9%, de acordo com o IPCA), apenas 12 profissões tiveram aumento.

A pesquisa da CNC também mostra que o salário médio de contratação em maio de 2021, considerando-se todas as profissões do Caged, era de R$ 2.010. Um ano depois, ele caiu 5,6%, para R$ 1.898.

publicidade

Confira a seguir os dados da pesquisa da CNC.

Quais profissões tiveram aumento no salário de contratação?

 
Profissão Salário médio Variação real nos últimos 12 meses
1 Médico clínico R$ 10.834 35,6%
2 Analista de desenvolvimento de sistemas R$ 6.805 1,1%
3 Programador de sistemas de informação R$ 5.296 2,2%
4 Gerente comercial R$ 4.833 1,2%
5 Professor de nível médio no ensino fundamental R$ 3.329 15,6%
6 Professor de nível superior na educação infantil R$ 2.402 4,9%
7 Controlador de entrada e saída na indústria R$ 2.341 8%
8 Professor de nível médio na educação infantil R$ 2.002 2%
9 Estoquista R$ 1.780 3,2%
10 Repositor de Mercadorias R$ 1.587 0,5%
11 Costureiro na confecção em série R$ 1.480 0,6%
12 Trabalhador no cultivo de árvores frutíferas R$ 1.381 1,2%

Quais profissões tiveram as maiores quedas no salário de contratação?

 
Profissão Salário médio Variação real nos últimos 12 meses
1 Motorista de ônibus urbano R$ 2.490 -19%
2 Contínuo R$ 1.415 -19%
3 Auxiliar de desenvolvimento infantil R$ 1.433 -18%
4 Pedreiro R$ 2.064 -16%
5 Carregador (veículo de transporte terrestre) R$ 1.913 -15%
6 Motorista de ônibus rodoviário R$ 2.449 -15%
7 Garçom R$ 1.608 -15%
8 Fisioterapeuta geral R$ 3.050 -14%
9 Agente de saúde pública R$ 1.986 -14%
10 Atendente de lanchonete R$ 1.396 -13%

Por que os salários estão caindo?

Especialistas explicam que a queda real nos salários se deve a três fatores principais. Primeiro, a economia ainda convive com uma taxa muito alta de desemprego, cerca de 9,8% em maio, ou 10,6 milhões de desempregados. Com isso, a procura pelas vagas disponíveis é maior, o que tende a derrubar os salários de contratação.

Outro fator é a desaceleração da economia como um todo, com redução no faturamento das empresas e menos investimentos. Nesse cenário, as oportunidades de trabalho, sobretudo as que pagam melhores salários, também diminuem.

Por último, é preciso considerar a grave inflação vivenciada desde o ano passado, que corrói o poder de compra dos trabalhadores.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Amaury Nogueira
Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para agregar conhecimento na redação do portal de notícias FDR.