Este foi o melhor investimento do primeiro semestre; e o melhor: o risco é baixo!

No primeiro semestre deste ano, a renda fixa foi a única classe de ativos que teve rentabilidade positiva. Diante do aumento dos juros, esse tipo de investimento ofereceu uma remuneração maior a um risco menor. O levantamento foi realizado pelo Yubb, a pedido do E-Investidor.

publicidade
Este foi o melhor investimento do primeiro semestre; e o melhor: o risco é baixo!
Este foi o melhor investimento do primeiro semestre; e o melhor: o risco é baixo! (Imagem: Montagem/FDR)

Na primeira metade do ano, a inflação impactou fortemente o mercado. Diante deste cenário, os bancos centrais passaram a subir os juros, o que fez com que as bolsas de valores globais apresentassem maior aversão ao risco. Como resultado, houve queda na rentabilidade do investimento de diversos ativos.

Ao Estadão, o especialista em renda fixa e sócio da Quantzed, Ricardo Jorge, afirma que existiu um aumento considerável das taxas de juros no Brasil. Isso fez com que os investidores saíssem da renda variável para renda fixa.

publicidade

O especialista informa que isso foi uma tentativa de obter ativos menos voláteis e arriscados em relação ao investimento em ações, por exemplo.

Estes foram dos desempenhos das principais classes de ativos nos seis primeiros meses do ano:

  • CDB banco médio: 6,78%
  • Tesouro Selic: 5,58%
  • CDB banco grande: 4,29%
  • Poupança: 3,63%
  • Tesouro prefixado: 0,59%
  • IFIX: -0,33%
  • Tesouro IPCA: -0,41%
  • Dólar: -5,69%
  • Ibovespa: -5,99%
  • Ouro: -8,05%
  • Bitcoin: -62,87%
  • Ethereum: -74,31%

Mesmo que o investimento em renda fixa tenha sido favorecido pelo movimento de elevação nos juros, ainda ficou abaixo do IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) no primeiro semestre deste ano.

Este indicador, divulgado mensalmente, mede o nível da atividade econômica e as oscilações do preço do Brasil. No acumulado da primeira metade deste ano, o índice está em 8,16%.

Investimento de renda fixa oferece menor risco

No investimento em renda fixa, a remuneração é calculada previamente — no momento da aplicação. Ao investir em renda fixa, a pessoa empresta o dinheiro aplicado para o emissor do título. Em troca, o cidadão recebe a quantia aplicada acrescida de juros pagos como forma de remuneração.

publicidade

No momento do investimento, são acertadas com o emissor as condições da aplicação — como prazos, formas de remuneração, índices e cláusulas de recompra.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Cabe destacar que, apesar de oferecer menos risco em comparação à renda variável, ainda há possibilidade de perder o capital investido na renda fixa. Por exemplo, se o emissor do título não cumprir a obrigação assumida, o investidor não receberá uma parte ou toda a quantia pactuada.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.