Supermercados adotam nova estratégia para reduzir o valor dos alimentos

Basta andar pelos supermercados para perceber a alta no valor dos alimentos. Não é de hoje que os brasileiros têm sentido diferenças no seu bolso ao fazer compras. Por isso, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) observou que as empresas estão adotando uma nova estratégia para diminuir seus gastos.

publicidade

De acordo com o Idec, as marcas estão buscando formas de repassar ao consumidor o aumento de custo das matérias primas. Por isso, cresceram os casos em que a fabricante tem reduzido o tamanho das embalagens ou mudado a composição do produto, a fim de diminuir o valor dos alimentos.

O método é chamado de reduflação. Mas, na prática, não diminuí o valor dos alimentos, e sim reduz a qualidade dos produtos. Isso porque, a qualidade e principalmente a quantidade do produto é alterada para menos, no entanto, seu valor final não caí para o consumidor.

Uma das justificativas para que as empresas tenham adotado a reduflação é o aumento da inflação no país.

publicidade

De acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação acumulava, em maio, taxa de 11,73% em 12 meses. Quando comparado de 2020 a 2022, o valor acumulado chega a 20,27%.

As mudanças têm atingidos também as grandes marcas, por isso têm adotado métodos para driblar os custos. Mas é necessário atenção, pois, por exemplo, produtos com 500 ml hoje são vendidos por 400 ml, em embalagens muito parecidas que confundem o consumidor.

Direitos do consumidor na alta no valor dos alimentos

Quando se depara com esse tipo de caso, o consumidor deve sim presar por seus direitos. Em entrevista concedida à Agência Brasil, a coordenadora do Programa de Serviços Financeiros, Ione Amorim, dá algumas dicas.

Ela informa que existe uma portaria regulamentada pela Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor exigindo que qualquer alteração nas embalagens deve ser informada nos rótulos por pelo menos 180 dias.

A recomendação é que as embalagens sejam observadas, e que sejam lidas todas as informações. Ao observar qualquer propaganda enganosa, o consumidor pode exigir que seu direito seja respeitado.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

“O Código de Defesa do Consumidor, no artigo 6º, exige que o preço por unidade de medida quilo, litro ou metro seja colocado nas prateleiras para que o consumidor consiga fazer a relação entre as diversas embalagens do produto que é oferecida”, explica a coordenadora.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Lila Cunha
Lila Cunha é formada em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Atua como repórter especial para o portal FDR. É responsável por selecionar as informações abordadas e garantir o padrão de qualidade das notícias veiculadas. Além disso, trabalha com apuração de hard news desde 2019, cobrindo o universo econômico em escala nacional.