Caminhoneiros rejeitam auxílio de R$ 400 proposto pelo Governo afirmando ser uma “esmola”

Após receberem a sugestão do governo federal sobre o pagamento de um auxílio de R$ 400, os caminhoneiros demonstraram total desagrado. O objetivo do governo era de liberar a ajuda como forma de amenizar a alta dos combustíveis. Mas, o líder da classe chegou a classificar a ajuda como “esmola”. 

Além de recusar o auxílio de R$ 400, os caminhoneiros apresentaram uma contra proposta. Eles pedem pela adoção de medidas que possam amenizar a alta no valor do diesel, a criação de um fundo para frear os aumentos. E, fim da Paridade dos Preços de Importação (PPI).

Ao falar publicamente sobre a distribuição do benefício, o presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Wallace Landim, o Chorão, criticou o valor.

Ele diz que foram recebidos pelo governo federal um montante de R$ 8 bilhões referente ao lucro da Petrobras. Além de R$ 24 bilhões distribuídos para os acionistas. E completa dizendo “Agora Bolsonaro me vem com a proposta de voucher de R$ 400 para caminhoneiros”.

Lira tem que procurar algum amigo que seja transportador para se informar se isso vai fazer algum efeito para a categoria. É uma esmola“, indaga Chorão.

Este não foi o único crítico ao pagamento do auxílio de R$ 400. Plinio Dias, presidente do Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), também se pronunciou.

Dias afirma que com o valor de R$ 400 não é possível nem abastecer o veículo com 100 litros de diesel, ou cobrir os gastos da viagem com a cobrança do pedágio.

E avisa que sem ouvir os caminhoneiros, o presidente Jair Bolsonaro não vai “chegar a lugar nenhum”.

Dentro do parlamento a opinião dos representantes não muda. O presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Caminhoneiro Autônomo e Celetista, deputado Nereu Crispim (PSD-RS), se pronunciou.

Além de dizer que a ação de criar um auxílio financeiro para a classe nesse valor seria um deboche, Crispim critica Bolsonaro e o ministro da economia Paulo Guedes. 

Pariram uma esmola eleitoreira que não paga a metade de uma recapagem de pneu. É preciso ter respeito”, disse.

Como funciona o auxílio de R$ 400 aos caminhoneiros

A criação do auxílio de R$ 400 para os caminhoneiros deve ser inclusa na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que tenta diminuir o valor dos combustíveis. O texto está em discussão no Senado.

Em ano eleitoral não é permitido a criação de programas sociais, por isso, o auxílio deve ser inserido de forma estratégica nesta PEC.

O pagamento mensal de R$ 400 vai ser pago para caminhoneiros autônomos, isto é, aqueles que trabalham por conta própria sem vínculo empregatício com transportadoras.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Lila Cunha
Lila Cunha é formada em jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Atua como repórter especial para o portal FDR. É responsável por selecionar as informações abordadas e garantir o padrão de qualidade das notícias veiculadas. Além disso, trabalha com apuração de hard news desde 2019, cobrindo o universo econômico em escala nacional.