Ginastas vítimas de assédio sexual nos EUA pedem indenização de US$ 1 bilhão

Nos Estados Unidos, advogados de cerca de 90 mulheres e meninas que foram abusadas sexualmente por Larry Nassar, o ex-médico da equipe de ginástica dos EUA, pediram mais de US$1 bilhão ao FBI de indenização ao alegarem que os investigadores poderiam ter encerrado os crimes do médico e protegido outras vítimas caso tivessem manipulado bem o caso.

Estão entre as vítimas as ginastas olímpicas Simone Biles, Aly Raisman e McKayla Maroney e a medalhista do campeonato mundial Maggie Nichols. Cada uma  delas pediu US$ 50 milhões, segundo o escritório de advocacia que representa as ginastas.

Segundo os advogados, as ginastas Kaylee Lorincz e Hannah Morrow estão solicitando US$ 42,5 milhões cada uma. Segundo os representantes, grande parte das vítimas está pedindo US$10 milhões cada, o que no total, ficaria na casa de US$ 1 bilhão a US$ 1,2 bilhão.

Conforme o Federal Tort Claims Act, os pretendentes precisam obrigatoriamente notificar a agência federal antes de ajuizar uma ação no tribunal federal. A partir da notificação,  agência temem prazo de seis meses para conseguir um acordo ou negar a reivindicação antes que a ação possa ser movida.

Os advogados afirmaram na notificação do Federal Tort Act, que o FBI possuía queixas críveis de diversas vítimas até julho de 2015, mas não investigou de forma adequada o crime.

As alegações afirma em parte que “o Departamento Federal de Investigação (FBI) possuía queixas credíveis de várias fontes e evidências corroborantes das agressões sexuais do médico.”

“Oficiais do FBI, que possuíam esse conhecimento e estavam em posição de acabar com a predação de Nassar, ignoraram seus deveres, resultando em Nassar agredindo sexualmente aproximadamente 100 mulheres e crianças entre 28 de julho de 2015 e 12 de setembro de 2016, e conspiraram com o funcionários do mais alto escalão do Comitê Olímpico e Paralímpico dos Estados Unidos e da USA Gymnastics para ocultar esse abuso sexual conhecido de vítimas”, disseram as reivindicações.

“Como resultado, Nassar continuou seu comportamento predatório, agredindo sexualmente aproximadamente 90 mulheres e crianças entre 28 de julho de 2015 e 12 de setembro de 2016”.

Larry Nassar também foi condenado a uma sentença de prisão estadual de 40 a 175 anos em Michigan após se declarar culpado de sete acusações de conduta sexual criminosa.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.