Bolsonaro concede benefício para os caminhoneiros mediante o aumento do diesel

Diante do receio em enfrentar uma greve dos caminhoneiros semelhante à que aconteceu em 2018, o presidente da República, Jair Bolsonaro, editou uma Medida Provisória (MP) alterando o cálculo incidente sobre o tabelamento de frete.

A concessão do benefício para essa classe de trabalhadores visa amenizar a situação após a alta do diesel e fidelizar uma de suas principais bases eleitorais. 

Neste sentido, a MP revisa a caráter extraordinário, a Tabela de Frete do Transporte Rodoviário de Cargas, reduzindo de 10% para 5% a oscilação no preço do diesel, conforme determinado originalmente. 

A iniciativa visa a sustentabilidade no setor de transporte rodoviário de cargas, sobretudo para os caminhoneiros autônomos. Assim, eles terão a chance de usufruir de uma remuneração justa e condizente aos custos do exercício.

Atualmente, a legislação prevê que a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), revise a tabela de frete a cada seis meses. No entanto, perante a lei, também está autorizada uma revisão extraordinária, sempre que a variação do preço do diesel no mercado nacional ultrapassar a margem de 10% em comparação ao preço constante na planilha de cálculos. 

Segundo um texto publicado pelo Palácio do Planalto recentemente, o diesel, combustível utilizado amplamente pelos caminhoneiros, acumula uma alta de 52% nos últimos 12 meses. Conforme explicações do Governo Federal o valor aplicado sobre o diesel é baseado na cotação internacional do petróleo, insumo que hoje sofre os efeitos da guerra na Ucrânia. 

“Os desequilíbrios que esse conflito tem ocasionado nas conformações geopolíticas que determinam a disponibilidade e os preços do petróleo, somada à variação cambial, tem impactado o preço do óleo diesel no mercado interno, que acumula alta de 52% nos últimos 12 meses”, alegou o governo.

Na última semana, a Petrobras anunciou um novo aumento no preço médio do diesel, em 8,87% nas refinarias. O novo percentual contrariou e revoltou os caminhoneiros, sendo o pontapé para o início de uma greve declarada pela classe de trabalhadores. As paralisações e manifestações são feitas pontualmente em várias localidades do país.

Porém, os caminhoneiros dizem que a mudança na tabela do frete rodoviário é insignificante. Pois, a ANTT não fiscaliza a aplicação da Lei nº 13.703/18 e as empresas contratantes de frete não respeitam a tabela, tendo em vista que o Supremo Tribunal Federal (STF) não julgou sua constitucionalidade.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.