Lucros da Petrobras ‘irritam’ Bolsonaro; presidente da empresa justifica

Na última quinta-feira (5), o presidente Jair Bolsonaro criticou os lucros da Petrobras. Em transmissão ao vivo nas redes sociais, Bolsonaro disse que a estatal lucra com a pandemia de coronavírus. Segundo ele, outra alta nos preços dos combustíveis pode “quebrar o Brasil”.

De acordo com Jair Bolsonaro, os recentes lucros registrados pela estatal são “um estupro”. O presidente afirma que estes ganhos favorecem os estrangeiros — e quem paga a conta são os brasileiros.

Bolsonaro pediu que a Petrobras não aumente os preços dos combustíveis. Caso os valores aumentem novamente, o presidente alega que “o nome da Petrobras vai para a lama”.

“Petrobras, estamos em guerra. Petrobras, não aumente mais o preço dos combustíveis. O lucro de vocês é um estupro, é um absurdo. Vocês não podem mais aumentar mais os preços dos combustíveis”, apela Bolsonaro.

Após o conjunto de críticas, o presidente do Brasil reconheceu que se excedeu, e se desculpou à Petrobras. Ele destacou que não interferirá na estatal. “Eu não mando na Petrobras”, afirma.

Justificativa do presidente da Petrobras após críticas de Bolsonaro

No dia seguinte, sexta-feira (6), o presidente da Petrobras, José Mauro Ferreira Coelho, defendeu que a atual política de preços da estatal se mantenha. Essa política acompanha as cotações internacionais do valor do petróleo e dos combustíveis.

A declaração do líder da companhia aconteceu em encontro com investidores e analistas, feita após a estatal divulgar os resultados do primeiro trimestre. No período, a Petrobras registrou lucro de R$ 44,561 bilhões. Este resultado foi 4.718,4% acima do registrado no mesmo período do ano passado.

Coelho argumentou que a política de preços de mercado é essencial para atrair investimentos para o Brasil — e também para assegurar as importações de derivados.

O presidente da petroleira afirmou que os investidores podem confiar suas aplicações à companhia. Segundo ele, há razão para ter orgulho da atual gestão da Petrobras.

O representante da Petrobras ainda lembrou que, em 2014, a estatal ficou com “dívidas impagáveis” devido a políticas de intervenção. De acordo com ele, conforme os resultados da empresa são melhores, os impostos são recolhidos à União de modo fortalecido.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.