Especialista explica como receber o salário em criptomoedas e como funciona esse ativo

Brasileiros podem passar a receber os seus salários em criptomoedas. Cada vez mais se fala sobre bitcoins e sua rentabilidade. No Brasil, no entanto, ainda não há um domínio da população com relação a essa forma de pagamento. Abaixo, um especialista te explica detalhes sobre o uso desse investimento.

Já pensou em receber o seu salário através de uma criptomoeda? Essa realidade está cada vez mais próxima. Com o avanço das moedas online, o Governo Federal passou a considerar os impactos dessa mudança.

Buscando aprofundar o debate sobre o pagamento do salário em criptomoedas, o FDR convidou o CEO da Osten Moove, Fabiano Nagamatsu, para uma entrevista exclusiva. Ele explica como funciona esse segmento financeiro e os seus possíveis desdobramentos na economia nacional. Confira.

Como funciona o pagamento de salário em criptomoedas?

O pagamento ocorre por meio de uma corretora ou Exchange de criptomoedas. A empresa deve ter uma carteira numa Exchange (com CNPJ). O colaborador também deve ter uma carteira para recebimento. A transação ocorre como se fosse um pix, porém com alguns procedimentos de segurança. Uma questão importante é: uma vez feita a transação, não tem estorno. Ou seja, se transferir para uma carteira errada (inserir código de outrem), não tem retorno e não pode ser identificado.

Geralmente, quem mais utiliza dos recursos de pagamento/recebimento em criptomoedas são empresas de serviços tecnológicos e prestadores de serviços (desenvolvedores, designers, modeladores de games).

Como já estão no ambiente onde com a diversão pode ganhar dinheiro, por exemplo, jogar um game onde a recompensa sejam NFTs, Tokens ou criptos, receber ou pagar em cripomoedas é mais cômodo para este público.

Quais os benéficos para empresa e para o colaborador?

  • Contratação de mão de obra em qualquer lugar do mundo – mão de obra mais qualificada;
  • Velocidade na transação financeira;
  • Segurança na transação criptografada;
  • Eliminar taxas de intermediações, bancárias, câmbios.
  • Possibilidade de Pagamento de bônus, remunerações variáveis ou premiações

Receber criptomoedas como um bônus, é possível?

É possível pagar bonificações e prêmios (remunerações variáveis) por meio de criptomoedas. Contudo, vale lembrar que ainda não é regulamentada a questão de remuneração por outra moeda que não seja a fiduciária ou moeda corrente do país (ver CLT).

No Brasil, esse tipo de pagamento já é aceito? O país está preparado para essa nova tendência econômica?

É importante destacar que tem um projeto de Lei 3908/21 (ainda tramitando) que sugere o pagamento de até 30% do salário em criptomoedas ou moeda que não seja fiduciária.

Entre as startups, o pagamento de salários dos programadores e designer já é comum. Exemplo de startups: Inspireip.io, driveonauto.com, cryptomiles.net, ostenmoove.com.br e btracer.com.br

Hoje a aceitação de pagamentos de remuneração é mais bem vista entre profissionais ligados à tecnologia. Contudo, com o avanço da Web3 e impulsionamento das regulamentações voltadas para criptomoedas, as transações em cripto começam a tornar-se mais corriqueiras. O fato que comprova isso é as novas fintechs e bancos digitais que estão adotando cash back e transações em criptomoedas.

No Brasil, com o avanço da tecnologia 5G, internet via satélite StarLink (possível parceria do Elon Musk) e investimento público-privado em infraestrutura tecnológica, o avanço e popularização das criptomoedas para transações financeiras torna-se cada vez mais comum, principalmente entre as gerações mais tecnológicas.

Pode falar um pouco mais sobre o PL aprovado no senado na última semana que envolve as criptomoedas?

A PL que foi recentemente aprovada no senado é para regulamentar as exchanges em território nacional:

  • Equiparar as exchanges e pestadores de serviços virtuais a instituições financeiras, incluindo responsabilidade penal por crime contra sistema financeiro;
  • Tem que ter autorização prévia pelo poder executivo para atuação de empresas de crypto;
  • Obrigação de comunicar operações suspeitas para o COAF
  • Retira da CVM a responsabilidade de supervisão do mercado de criptoativos, com exceção para oferta pública de criptos para captação de recursos no mercado financeiro;
  • Isenta de impostos até 2029 as compras (incluindo importações) de maquinário e software para processamento, preservação e mineração de criptomoedas por empresas que neutralizem 100% de emissões

Já tem o projeto de Lei 3908/21 (ainda tramitando) que sugere o pagamento de até 30% do salário em criptomoedas ou moeda que não seja fiduciária. Isto é, alterar questões junto à CLT.

Como sacar minhas criptomoedas?

O saque ocorre igual ao de um banco digital: indica-se a conta corrente para a transferência da quantia em moeda corrente (fiduciária). Em alguns países, já existem terminais onde a pessoa pode acessar sua carteira digital de criptomoedas e sacar em dinheiro físico corrente do país.

Qual a criptomoeda mais rentável?

As moedas mais promissoras para 2022 são:

  • Bitcoin – a primeira criptomoeda lançada em 2008.
  • Ethereum – plataforma descentralizada que serve para aplicações de smart contract.
  • Polygon (Matic) – camada da Ethereum – projeto com um protocolo que permite uma estrutura capaz de construir e conectar redes Blockchain que sejam compatíveis com a rede Ethereum
  • Solana – surgiu com o intuito de ser um destaque nas finanças descentralizadas

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.