Ação do Twitter foi a mais negociada em Wall Street em um único dia

Ação do Twitter foi a mais negociada em Wall Street em um único dia. A situação acontece após a aquisição da rede social pelo bilionário Elon Musk.

Na última semana a internet parou para reagir a notícia da compra do Twitter pelo homem mais rico do mundo, o bilionário Elon Musk que desembolsou cerca de US$ 44 bilhões pela rede social. O assunto se tornou um dos mais comentados do mundo inclusive na própria rede do passarinho.

O negócio ainda não foi inteiramente concretizado, a vez que ainda necessita da aprovação formal dos acionistas da empresa, além de detalhes de órgãos regulatórios, mas a expectativa é de que a parte burocrática da venda seja finalizada ainda este ano. Mas o impacto de Elon Musk comprando o Twitter foi sentido para além dos muros da internet, causando rapidamente efeitos em Wall Street.

Impactos do Twitter de Elon Musk em Wall Street

De acordo com dados levantados pela Stake, uma plataforma que conecta pessoas de diferentes países ao mercado de ações estadunidense, na terça-feira (26), a ação do Twitter foi a mais negociada na plataforma, representando 6,47% do volume de ordens, que foi de US$ 25,1 milhões.

O analista de investimentos da plataforma, Rodrigo Lima, fala sobre o impacto da movimentação para os investidores brasileiros, “De maneira geral, não é recomendável que o investidor tente prever ou reagir a notícias que acontecem no mercado, ao menos no que diz respeito a um prognóstico de curto prazo para as ações. Essa tarefa é difícil até mesmo para instituições que contam com modelos estatísticos extremamente robustos. É claro, a situação é diferente se estivermos pensando a longo prazo e o investidor acreditar que há uma grande mudança nos fundamentos por trás da empresa” avalia não analista.

De acordo com a análise de Rodrigo Lima, no caso do Twitters o board contava com uma quantia mínima de ações. O fundador da rede social, Jack Dorsey possuía cerca de 2,3% do capital da empresa, enquanto outros diretores tinham menos de 0,15% do capital da empresa cada. Essas informações podem significar certo desalinhamento nos interesses dos acionistas da companhia e a aquisição de Musk surgir como um passo positivo para a empresa.

Apesar disso, ainda restam dúvidas referentes a capacidade do bilionário de aumentar a lucratividade da rede social. Para o mercado, não existem expectativas quanto a um retorno até o ano de 2025 para a lucratividade que o Twitter possuía antes da pandemia, em 2019.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Hannah Aragão
Hannah Aragão é graduanda em jornalismo pela Universidade Federal de Pernambuco, a UFPE. Atuou em diversas áreas da comunicação, passando por assessoria, endo marketing, comunicação estratégica e jornalismo impresso. Atualmente, se dedica ao jornalismo online na produção de matérias para o portal FDR.