INSS: pessoas com deficiência esperam quase 1 ano para receber benefício

INSS atrasa a concessão de seus benefícios. Um levantamento realizado pelo portal Extra relevou que a previdência social está demorando mais de um ano para aprovar os abonos destinados às pessoas com deficiência. De acordo com a reportagem, os principais afetados são os segurados do BPC. Entenda.

INSS: pessoas com deficiência esperam quase 1 ano para receber benefício (Imagem: FDR)
INSS: pessoas com deficiência esperam quase 1 ano para receber benefício (Imagem: FDR)

Há mais de um ano a população vem sentindo os impactos da crise administrativa do INSS. Desde a aprovação da reforça da previdência, em 2019, o órgão enfrenta problemas com relação ao seu atendimento. As filas de concessão dos abonos já chegaram a ultrapassar o número de 1 milhão de pessoas.

Deficientes aguardam aprovação do INSS

Segundo a reportagem feita pelo Extra, os cidadãos portadores de alguma deficiência estão esperando cerca de onze meses e três dias para ter o retorno de seus abonos. Parte significativa busca um salário vinculado ao Benefício de Prestação Continuada (BPC/Loas), no qual tem como público alvo os mais vulneráveis.

Já no caso da aposentadoria por invalidez, a espera é de aproximadamente sete meses. É válido ressaltar, no entanto, que o período violar o limite determinado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). De acordo com o prazo legal, o INSS deve retornar ao segurado em até 90 dias, caso contrário fica sujeito a multas.

— Os segmentos mais vulneráveis como pessoas com deficiência e trabalhadores que dependem do auxílio-doença, por exemplo, continuam sendo os mais prejudicados por causa da necessidade de avaliação médica e social presencial — afirmou a defensora pública federal, Fernanda Hahn.

Perícia médica atrasa o processo de aprovação dos abonos

O principal motivo de atraso para os benefícios por invalidez está relacionado a perícia médica. Para quem depende desse procedimento, a greve dos profissionais resulta em uma espera ainda maior.

Há meses os peritos protestam contra melhorias nas suas condições de trabalho. Atualmente apenas cerca de 20% dessa categoria permanece na luta pelo reajuste salarial. Não há ainda uma previsão de resolução do caso.

De acordo com o levantamento do Extra, o volume represado de pedidos de aposentadoria por invalidez, auxílio-doença e acidente de trabalho foi de 254.023 em julho de 2019 para 964.560 em março deste ano, o que significa um aumento de 280% no período.

 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.