Para especialistas, queda do dólar não deve durar muito mais tempo

Desde o começo do ano, o real vem se valorizando em relação ao dólar. Na última semana, a moeda estrangeira apresentou redução de 5,37%, sendo cotado a R$ 4,7466. Apesar deste cenário, especialistas consultados pelo Valor acreditam que a queda do dólar não deve durar muito mais tempo.

Para especialistas, queda do dólar não deve durar muito mais tempo
Para especialistas, queda do dólar não deve durar muito mais tempo (Imagem: Montagem/FDR)

Alguns fatores vêm fazendo com que a moeda norte-americana caia em relação ao real. Os motivos são o aumento da taxa Selic, elevação das commodities, saída de investimentos da Rússia e leste da Europa — devido à guerra — à procura de mercados emergentes, e também a Bolsa de Valores brasileira barata.

Queda do dólar não deve durar muito mais tempo

Segundo especialistas ouvidos pelo Valor, os fundamentos seguem a apontar para o real ainda mais apreciado.

Apesar disso, alguns fatores trazem riscos de aumento do dólar futuramente — como o processo de aperto monetário nos Estados Unidos e a um possível alívio da guerra entre Rússia e Ucrânia, além das eleições presidenciais.

De acordo com o economista do banco BV, Carlos Lopes, neste momento, as razões que oferecem apoio ao real não devem seguir atuando fortemente durante o ano.

Ele considera que não há a expectativa de aumento contínuo das commodities. O economista ressaltou o entendimento de que ocorreu uma alteração de nível — e o real é favorecido por isso.

Contudo, o Lopes informa que o fluxo financeiro também não possui motivos para seguir vindo. Isso porque já foi observada uma correção nos preços dos ativos no Brasil.

O economista do BV ainda considera que a retirada de estímulos no exterior tem trazido um visível enxugamento de liquidez nos mercados mundiais.

Ao adicionar também o aumento de juros pelo Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA), os mercados emergentes enfrentam um cenário mais desafiador.

Lopes considera que poderia ser sustentável. Contudo, para isso, seriam necessários valores de commodities sustentados e alívio do panorama político.

Conforme o economista chefe da Greenbay Investimentos, Flavio Serrano, o dólar pode retomar parte do movimento recente em caso de maior desaceleração da economia mundial nos próximos meses, agravamento da guerra ou problemas políticos locais.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.