Criptmoedas: Jamaica vai pagar US$ 16 para quem usar moeda digital do país

Na Jamaica, os primeiros 100 mil cidadãos que utilizarem a Jam-Dex, a moeda digital do país, poderão ganhar US$16. A moeda digital será lançada em breve. Através de uma postagem do primeiro-ministro Andrew Holness, no Facebook, ele disse que as pessoas que ativarem as carteiras digitais após o lançamento da moeda ganharão um “incentivo”de 2.500 dólares jamaicanos.

As nações caribenhas assumiram a liderança na emissão de moedas digitais emitidas pelo banco central, conhecidas como CBDCs. Diferentemente de criptos populares como bitcoin, os CBDCs são versões digitais da moeda fiduciária de uma nação. 

O primeiro CBDC do mundo foi lançada pelas Bahamas, o Sand Dollar, em outubro de 2020. Já o Banco Central do Caribe Oriental lançou o DCash em março do ano passado. Porém, sua presença ainda é pequena devido a pandemia e também as falhas técnicas.

Nesta semana, o ministro das Finanças, Nigel Clarke, disse em um discurso ao legislativo que o êxito do Jam-Dex é dependente de sua utilidade do mundo real. Quanto mais locais, vendedores e bares passarem a aceitar a moeda digital, ”mais útil ela se torna e mais difundido é o seu uso” afirmou.

Durante o último ano, O banco central da Jamaica realizou testes do Jam-Dex, abreviação de Jamaica Digital Exchange, e disse que a moeda poderá ser lançada já em abril.

Todos os jamaicanos que possuem conta em banco são elegíveis ao Jam-Dex de maneira automática. Já quem não tem conta bancária terão que passar por um processo simplificado batizado “conheça seu cliente”, uma prática para prevenir fraudes e que é exigida por reguladores de todo o mundo.

Estas ofertas de pagamento de acordo com o uso são normais no universo criptográfico. Quando em 2021, El Salvador transformou o bitcoin em sua moeda oficial, foi dado a todos que ativaram uma carteira digital “Chivo” no valor de US$ 30 da criptomoeda.

Porém esta oferta da Jamaica não foi recebida de forma unânime. Logo após o anúncio de Andrew Holness, comentaristas acusaram o governo na internet de oferecer “subornos” para abrir caminho para Jam-Dex.

“Eles sabem que as pessoas estão desesperadas e aproveitam para capitalizar o desespero que criaram”, afirmou um comentarista no Facebook.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.