País europeu adere jornada de trabalho de 4 dias; saiba onde é

Pontos-chave
  • A Bélgica vai diminuir o número de dias de trabalho;
  • A intenção é diminuir os danos aos colaboradores;
  • Outros países como Japão, Espanha e entre outros.

Com a intenção de melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores belgas, o país europeu anunciou que milhares de servidores federais não vão mais ser obrigados a responder ligações e e-mails de seus chefes fora do horário de trabalho.

Em torno de 65 mil trabalhadores do governo ganharam a oportunidade de se desconectar, na esperança de ter um melhor equilíbrio entre vida e trabalho.

Usando a política de valorizar o colaborador, os trabalhadores passarão a ter uma semana útil de quatro dias. Essa reforma acordada pela coalizão multipartidária do governo do país vai dar também aos trabalhadores o direito de desligar dispositivos de trabalho e de ignorar mensagens relacionadas ao trabalho depois do expediente, sem que tenham medo de ser repreendidos.

Na coletiva de imprensa para anunciar o pacote de reformas, o primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, disse “Passamos dois anos difíceis. Com este acordo, estabelecemos um farol para uma economia mais inovadora, sustentável e digital. O objetivo é poder tornar as pessoas e os negócios mais fortes.” O ministro do trabalho belga, Pierre-Yves Dermagne, disse que a decisão cabe ao trabalhador: “Isso deve ser feito a pedido do empregado, com o empregador apresentando razões sólidas para qualquer recusa”.

Além disso,  os colaboradores poderiam requisitar uma semana de quatro dias como um teste dentro de seis meses. Caso queiram, podem permanecer com a jornada encurtada ou voltarem ao normal.

A semana abreviada é diferente se comparada com o que outros países e empresas têm anunciado. Os países e empreendimentos têm tirado um dos dias da semana sem fazer com que se pague em horas a mais nos outros quatro dias.

Outros países com semanas mais curtas

Escócia

O país já aderiu uma semana com quatro dias. Essa decisão foi  de uma promessa de campanha do partido vencedor das eleições. Os trabalhadores terão suas horas reduzidas em 20%, mas não vão sofrer nenhuma perda em compensação. O programa será patrocinado pelo partido, que tem um fundo de R$ 69,8 milhões convertidos no valor de hoje. Algumas empresas escocesas já tinham testado o modelo.

Espanha

O governo espanhol concordou com uma carga horária semanal de 32 horas, ao longo de três anos, sem cortar as compensações dos trabalhadores. O programa piloto, similar ao da Escócia, pretende reduzir o risco dos empregadores com um auxílio governamental que paga a diferença quando os colaboradores optarem pela semana de quatro dias.

Japão

O país segue o exemplo dos outros e está considerando implementar uma semana de trabalho de quatro dias, com o governo liderando esse movimento. Porém, dada a cultura de trabalho frenético do Japão, que é tão ruim ou pior do que a propensão dos Estados Unidos de trabalhar arduamente por longas horas, com pouco ou nenhum tempo de férias.

No Japão, longas horas extenuantes dos assalariados levavam à morte por excesso de trabalho.

A empresa Microsoft tentou inserir uma semana menor antes no programa “Work-Life Choice Challenge 2019 Summer”. A companhia deu a seus 2.300 funcionários a oportunidade de “escolher uma variedade de formas de trabalhar, de acordo com as circunstâncias da função e da vida de cada um.” O objetivo era ver se haveria um aumento correspondente na produtividade com a redução das horas. Os resultados do experimento foram positivos, indicando que os funcionários estavam mais felizes e 40% mais produtivos.

Islândia

O pioneiro neste modelo realizou um estudo que aponta que  2.500 trabalhadores islandeses, mais de 1% da força de trabalho, pretendia identificar se a jornada reduzida levava à maior produtividade e a mais qualidade de vida. Os testes foram feitos em diferentes locais de trabalho.

Dentre os anos de  2015 e 2019, a Islândia fez testes de 35 a 36 horas de jornada semanal, sem nenhum corte no pagamento. Com a intenção de garantir o controle de qualidade, os resultados foram analisados pela Autonomy e pela Associação pela Sustentabilidade e Democracia.

Baseadas nos resultados surpreendentes, os sindicatos islandeses negociaram a redução na jornada. O estudo também levou a uma mudança significativa na Islândia, em que aproximadamente 90% da população trabalhadora agora têm jornada reduzida ou outras flexibilizações. As taxas de estresse laboral e burnout caíram. Houve uma melhora no equilíbrio entre vida e trabalho.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.