Rússia x Ucrânia: onde vale a pena investir diante do cenário de tensão?

Nos últimos dias, a tensão entre Rússia e Ucrânia vem tomando proporções cada vez maiores. Esse conflito também vem agitando o mundo dos investimentos. Em meio a isso, o investidor deve ter mais atenção antes de aplicar. Entenda onde vale a pena investir diante do cenário de tensão.

Rússia x Ucrânia: onde vale a pena investir diante do cenário de tensão?
Rússia x Ucrânia: onde vale a pena investir diante do cenário de tensão? (Imagem: Montagem/FDR)

Em entrevista ao Radar InfoMoney, o gestor de macro global da Kinea, Ruy Alves, comenta que, ao considerar as tensões geopolíticas e guerras passadas, geralmente, o mercado responde com forte queda até que o conflito se inicie.

Segundo o gestor, nesse período adverso, o prêmio de risco aumenta, até ser precificado quando há início do conflito — a partir de quando acontece uma certa normalização.

Alves alega que o reflexo registrado nesta quinta, com desvalorização das bolsas mundiais, poderia ter mais relação com o aumento de juros no mundo, e não necessariamente às tensões entre Rússia e Ucrânia.

Onde vale a pena investir diante do cenário de tensão

Diante do mercado mais sensível, o gestor da Kinea, acredita que essa é a melhor hora para identificar oportunidades para médio e longo prazo. Ele recomenda comprar quando houver prêmio de risco.

Na visão de Alves, as commodities são uma oportunidade estrutural. Segundo ele, o Brasil tem bom posicionamento em petróleo e grãos.

Os contratos futuros de gás natural, do qual existe dependência da União Europeia, chegaram a subir 63%. Por meio deste exemplo, o gestor indica a necessidade de o investidor encontrar oportunidades neste cenário.

Entre as ações descontadas, Alves cita os papéis de tecnologia nos Estados Unidos — como Netflix, Twitter, Facebook e PayPal.

Neste cenário de conflito entre Rússia e Ucrânia, o analista da Empiricus, Matheus Spiess, indicou três opções para investimentos.

Em análise publicada no site da Empiricus, Spiess cita os títulos de renda fixa indexados à inflação — que pagam IPCA mais taxa. A recomendação acompanha a inflação em nível elevado.

Dentro dos fundos imobiliários, o analista aponta os FIIs de tijolo, que ajustam os aluguéis segundo índices de inflação. Também há indicação de fundos de crédito imobiliário — os fundos de papel — atrelados aos índices de inflação.

No mercado de ações, ele destaca a necessidade de selecionar papéis com bons fundamentos e baratos. Spiess alega que, o panorama de aperto monetário favorece ações da velha economia, como produtoras de commodities e bancos tradicionais, assim como empresas de setores cíclicos domésticos descontadas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.