Economia: setor de serviços teve crescimento de 10,9% em 2021

Desenvolvimento econômico. Nessa semana, o IBGE liberou uma pesquisa onde mostra as estatísticas do mercado nacional. De acordo com o levantamento, o setor de serviço cresceu em 10,9% durante todo o ano de 2021. Somente no mês de dezembro, foi possível registrar uma expansão de 1,4%. Confira.

A economia nacional vem sentindo os impactos do novo coronavírus. Diversos segmentos tiveram suas atividades afetadas, mas o setor de serviços conseguiu mostrar números positivos. De acordo com os dados da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), o fechamento de 2021 ficou acima da previsão.

Superação da pandemia na área de serviços

Diante do crescimento de 10,9%, é possível acreditar que nos próximos meses o segmento se mantenha ainda mais em evolução. Comparado com dezembro de 2020, a rentabilidade foi de 10,4% a mais. Já o acumulado dos últimos 12 meses foi de 9,5%. Isso implica dizer que houve uma constância no crescimento.

“Nos primeiros meses de 2020, o setor de serviços foi duramente afetado em função da necessidade de isolamento social e do fechamento dos estabelecimentos que prestavam serviços de caráter presencial. Por outro lado, a pandemia trouxe oportunidades de negócios para serviços voltados às empresas como os de tecnologia da informação, transporte de cargas, armazenagem, logística de transporte e serviços financeiros auxiliares, que tiveram ganhos mais expressivos e compensaram as perdas dos serviços de caráter presencial”, disse o gerente da pesquisa, Rodrigo Lobo.

O gestor relembra ainda que houve uma alta em todas as atividades durante o fim do ano.

“É a segunda vez na série que todas as atividades crescem simultaneamente. Dos dez anos da série, o setor fechou positivo em cinco (2012, 2013, 2014, 2019 e 2021), e, desses cinco, apenas em 2012 e 2021 houve crescimento em todas as atividades”, disse.

Demais indicativos

O relatório apresenta ainda o crescimento nas seguintes atividades: serviços profissionais, administrativos e complementares (7,3%); serviços prestados às famílias (18,2%); e outros serviços (5,0%).

Desse modo, espera-se que nos próximos meses o número de contratações e lucratividade do setor permaneça em alta. A população deverá ser beneficiada mediante as possibilidades de emprego.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.