Inflação mais alta: Banco Central eleva perspectivas para 2022 e 2023; confira

O mercado financeiro aumentou as estimativas para a inflação oficial do país, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). As estimativas, sobre a inflação mais alta, fazem parte do boletim Focus, divulgado pelo Banco Central nesta segunda-feira (17).

Inflação mais alta: Banco Central eleva perspectivas para 2022 e 2023; confira
Inflação mais alta: Banco Central eleva perspectivas para 2022 e 2023; confira (Imagem: Montagem/FDR)

De acordo com o levantamento semanal, os agentes financeiros aumentaram a previsão para a inflação, para 2022, de 5,03% para 5,09%. Caso a estimativa seja concretizada, a inflação deste ano estaria acima do teto previsto no sistema de metas.

Conforme definido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), em 2022, o centro da meta da inflação é de 3,5% — podendo variar 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Ou seja, ela será formalmente cumprida se ficar entre 2% e 5%.

Perspectiva da inflação para 2023

Já para o próximo ano, o mercado financeiro elevou a estimativa de 3,36% para 3,40%. Em 2023, o centro da meta da inflação é de 3,25% — também com a margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. Sendo assim, o IPCA poderá variar de 1,75% a 4,75%.

Semanalmente, o Banco Central divulga o boletim Focus. Para realizar as estimativas, a autoridade monetária considera as perspectivas de mais de 100 instituições financeiras.

País teve inflação mais alta no ano passado

No ano passado, a inflação oficial do país fechou o ano em 10,06%. Esta foi a maior elevação desde 2015, a taxa acumulada foi de 10,67%, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2021, o IPCA ficou muito acima da meta para o ano, que era de 3,75%. Conforme o sistema vigente, a inflação poderia ficar entre 2,25% e 5,25% para ser cumprida.

Dentre todos os grupos analisados pelo IBGE, a inflação do último ano foi impactada, principalmente, pelo “Transportes” — que apresentou variação de 21,03%.

Segundo o gerente do IPCA, Pedro Kislanov, este grupo foi grandemente afetado pelos combustíveis. No acumulado anual, o etanol aumentou 62,23%. Já a gasolina teve alta de 47,49% no ano.

A inflação anual também foi afetada pelo grupo “Habitação” — que variou 13,05%. Segundo o instituto, o aumento foi puxado pela alta da energia elétrica (21,21%).

Estes foram os resultados dos nove grupos apurados pelo IBGE em 2021:

  • Transportes: 21,03%
  • Habitação: 13,05%
  • Artigos de residência: 12,07%
  • Vestuário: 10,31%
  • Alimentação e bebidas: 7,94%
  • Despesas pessoais: 4,73%
  • Saúde e cuidados pessoais: 3,70%
  • Educação: 2,81%
  • Comunicação: 1,38%

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.