Qual será o valor do dólar em 2022? Especialistas projetam

Em 2021, o dólar teve um ano de valorização frente ao real. Até a última semana, a alta foi de cerca de 6%, subindo dos R$5,20 registrados em janeiro do ano passado para os atuais R$5,70.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

De acordo com especialistas procurados pela CNN Brasil, neste ano, o dólar ainda deve permanecer acima dos R$5. Eles acreditam em um possível espaço de queda, especialmente com o ciclo de alta de juros que deve permanecer ao longo do ano, porém fatores nacionais e internacionais deixam este efeito limitado. 

Aqui no Brasil, o fator mais importante é a eleição presidencial com uma disputa polarizada. Já fora do país, qualquer alteração na política monetária dos EUA, especialmente nos juros, pode impactar de forma negativa o real frente ao dólar.

Dólar em 2021

O coordenador do MBA em Gestão Financeira da FGV, Ricardo Teixeira, disse que a cotação de uma moeda sempre é feita com base em uma “realidade e em uma expectativa”. De modo geral, quando as duas convergem, há uma estabilidade nas variações.

publicidade

Este não vem sendo a situação do real frente ao dólar ao longo dos últimos anos. Mesmo que fatores internos ajudem neste resultado, o motivo maior ainda é a pandemia e seus reflexos.

“Em 2020 e em 2021 nós tivemos no mundo uma situação atípica pela pandemia. Não sabíamos como as economias iam reagir, o que teria de oferta regular e oferta afetada. Por conta disso, as oscilações foram ocorrendo”, disse Teixeira.

Ele afirma que o cenário foi ficando mais previsível ao longo do tempo, e a situação atual está mais perto de uma estabilidade. Porém, qualquer novidade relacionada com o assunto, como o aparecimento de uma variante nova, promove novos medos que favorecem o dólar, moeda que os investidores tendem a usar como proteção pelos investidores.

Cenário interno em 2022

Neste ano, o cenário doméstico deve ter dois grandes elementos que vão influenciar o comportamento da moeda americana frente ao real, na visão de André Perfeito, economista-chefe da Necton, o Brasil.

Um desses elementos é a taxa de juros, que está atravessando um dos períodos mais intensos de alta em meio a inflação elevada. Na teoria, uma taxa Selic mais alta atrai mais investimentos estrangeiros, uma vez que o rendimento dos títulos do Tesouro é atrelado a ela, elevando a entrada de dólar e valorizando o real.

O outro elemento é a expectativa alta para as exportações com commodities que também favorecem o câmbio, pois isto faz com que haja mais entrada de dólar. A projeção de queda da inflação é, ainda, um ponto positivo, segundo ele.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.