Começaram o ano com o pé esquerdo: ações da Magalu, Via e Americanas seguem em baixa

Assim como aconteceu no último ano, as varejistas seguem em baixa na Bolsa de Valores em 2022. No acumulado desta primeira semana do ano, as ações da Magalu, Via e Americanas apresentam desvalorização. Essa tendência negativa acontece em meio ao cenário de alta dos juros.

No início deste ano, as varejistas — especialmente as com exposição ao e-commerce seguem com desempenho adverso. As ações do Magalu (MGLU3), que caíram 71% no ano passado, acumulam quedas de 8,44% neste ano.

Outra empresa do setor, a Via (VIIA3), que desvalorizou 67% no último ano, apresenta redução de 9,90% neste ano. A Americanas (AMER3), que teve queda de 58% em 2021, já registra desvalorização de 5,12% em 2022.

Em 2021, essas três companhias estiveram entre os piores desempenhos do principal índice da Bolsa, o Ibovespa.

Aspectos que vêm impactando ações da Magalu, Via e Americanas

O panorama local tem afetado o setor de varejo. Nesta semana, o boletim Focus divulgou a estimativa para a inflação oficial do país — medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Os economistas projetam que a inflação será de 5,03% no final deste ano. Este percentual está acima do centro da meta oficial — com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo. Para lidar com a inflação alta, o Banco Central tende a aumentar a taxa de juros.

Com relação à política monetária, o mercado financeiro prevê que a taxa Selic finalize 2022 a 11,50% ao ano. Como resultado, o setor varejista tende a ser prejudicado. Isso porque diminui o poder de compra dos consumidores.

Além do cenário macroeconômico, há analistas que apresentam cautela com as ações dos varejistas de e-commerce. Os analistas da XP observam um grande risco para os resultados das empresas — diante da demanda possivelmente mais fraca, e da concorrência que deve continuar acirrada.

A XP destaca que os produtos eletrônicos e de linha branca tendem a ser mais cíclicos, por conta do tíquete médio mais alto. Por conta disso, os analistas estimam que a demanda dos consumidores por estes itens foi, de alguma forma, antecipada durante a pandemia de covid-19.

Os analistas também ressaltam que os players possuem mais exposição às classes mais baixas — que são afetadas com o cenário macroeconômico mais difícil. O cenário competitivo, segundo a XP, também deve continuar desafiador.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.