Você já ouviu falar em FIDC’s? Investimento se destaca cada vez mais

Pontos-chave
  • FIDCS são um tipo de investimento em renda fixa estabelecido sob a forma de condomínio aberto
  • Modalidade traz diversificação para a carteira
  • Renda fixa será destaque em 2022

O FIDC (Fundo de Investimento em Direitos Creditórios) é uma reunião de recursos que destina uma parcela com valor acima de 50% de seu patrimônio líquido para aplicações em direitos creditórios. Fica sob responsabilidade do administrador, uma instituição financeira específica, criar o fundo e cuidar de todo processo de captação de recursos juntamente com os investidores através da venda de cotas.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

O que são FIDCS

Os FIDCs são um tipo de investimento em renda fixa estabelecido sob a forma de condomínio aberto. Nesta modalidade os cotistas podem pedir o resgate de suas cotas segundo a regra que consta no regulamento do fundo, ou no modo fechado, as cotas só podem ser resgatadas no fim do prazo de duração do fundo, de cada série ou classe de cotas de acordo com o seu regulamento, ou em razão de sua liquidação. 

Também é admitida, a amortização de cotas por disposição do regulamento ou através de  decisão da assembleia geral de cotistas.

Os direitos creditórios que fazem parte de uma carteira de ativos de um FIDC, são oriundas dos créditos que uma empresa tem a receber, como, por exemplo, duplicatas, cheques, entre outros. 

publicidade

Uma empresa, por exemplo, vende um produto parcelado para um consumidor via cartão de crédito e estes recebíveis, que são as parcelas da compra que serão pagas, podem ser vendidos para um FIDC no formato de direitos creditórios, o que permite a empresa antecipar o recebimento destes recursos em troca de um percentual de desconto que, por outro lado, gratifica os investidores do fundo.

Os créditos que foram originados em transações feitas nos segmentos financeiro, comercial, industrial, imobiliário, de hipotecas, de arrendamento mercantil e de prestação de serviços, no formato de recebíveis, podem virar ativos de um FIDC e os investidores, que compram as cotas, ficam expostos indiretamente sujeitos ao retorno e riscos de tais recebíveis.

Todo o FIDC tem um regulamento que determina, entre outras questões, a política de investimento do fundo, as características de atuação, entre elas, os critérios de composição e de diversificação da carteira, os riscos de crédito, de mercado e outros  possíveis riscos e, se for o caso, o segmento de atuação do fundo.

Vantagens do FIDC

  • Traz diversificação para os investimentos
  • Eles são classificados por agências classificadoras de risco, possibilitando que o investidor conheça mais profundamente os riscos envolvidos
  • Contratação de consultorias de crédito para avaliação e aprovação dos recebíveis que serão comprados pelo FIDC, trazendo mais segurança
  • Participação de várias instituições no processo de controle do FIDC, aumentando a fiscalização e o acompanhamento das operações

FIDCS se tornam ouro da renda fixa 

A situação do ano novo já está desenhada. Em meio a um cenário de juros em alta, os investimentos em renda fixa devem atrair os olhos dos investidores. Neste segmento, os FIDCS estão se destacando e se revelando como o verdadeiro ouro da modalidade. 

Sua capacidade de retorno estável e sua baixa volatilidade, o ativo se mostra um grande exemplo para trazer diversificação nas carteiras de investimento, em especial, em fases  de incertezas políticas e econômicas.

publicidade

“O veículo permite investir em crédito de maneira segura”, disse Ricardo Binelli, sócio-diretor da Solis Investimentos, gestora de referência em FIDCs no Brasil ao portal InfoMoney. 

Ricardo sinaliza que com o cenário de juros atual, o retorno dos FIDCs já ultrapassam 1% ao mês, com a alta da Selic definida na última reunião do Copom, e deverá bater os 15% ao ano no decorrer de 2022. “O ativo se traduz em um componente das carteiras de renda fixa que mitiga riscos e mantém ou eleva os níveis de retorno”, disse.

Não é atoa que muitos investidores começaram a olhar e incluir em suas carteiras esta modalidade. 

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.