Lojas Quero-Quero chegam a São Paulo: Conheça o negócio

Pontos-chave
  • A Quero-Quero poderá abrir até 85 unidades pelo país em 2022;
  • A projeção positiva da empresa é baseada no próprio modelo de atuação;
  • A rede possui 450 unidades.

A Lojas Quero-Quero chegaram a São Paulo, por meio da abertura da primeira loja na última terça-feira (30). No país, a varejista de materiais de construção mantém a projeção de abertura de 70 lojas em 2022. Parte dessa abertura acontecerá no estado de São Paulo, segundo informado pelo Valor.

A rede de lojas Quero-Quero passou por um período de fatura, mesmo em meio ao período de pandemia de covid-19. No fim de 2020, a varejista cresceu quase 40% nas vendas. Apesar de perder força em 2021, a companhia ainda registra dois dígitos.

A empresa planeja aumentar os investimentos em lojas no ano que vem. No entanto, isso dependerá do cenário econômica e da performance dos negócios nos próximos meses.

Lojas Quero-Quero chegam a São Paulo

Peter Furukawa, CEO da Quero-Quero afirma que a companhia espera um ambiente mais difícil para 2022. Apesar disso, a varejista mantém a perspectiva de 70 aberturas no ano que vem. Se a economia melhorar, podem ser abertas entre 80 e 85 unidades.

Ao Valor, o executivo afirmou também que parte da abertura será realizada no Estado de São Paulo, onde a Quero-Quero abriu a primeira loja na semana passada. A unidade foi instalada em Oswaldo Cruz, na região Oeste do estado.

Mais três lojas vêm sendo negociadas em locais próximos ao município nos próximos meses. A varejista não informa o preço do investimento. De todos os 50 pontos que já foram contratados para o futuro, 15 estão presentes no estado de São Paulo.

A presença das lojas Quero-Quero em São Paulo se inicia por cidades menores — com até 100 mil habitantes — continuando o foco de atuação da companhia no Sul. Esses municípios menores possuem competidores de menor porte, sendo a maioria regionais.

Otimismo da Quero-Quero acompanha projeção sobre o mercado da construção

A Lojas Quero-Quero espera que o mercado da construção continue crescendo. Por conta disso, a companhia sustenta uma visão mais otimista. Contudo, a varejista destaca que existem efeitos negativos a se considerar.

O mercado projeta que mais de um terço do lucro bruto da cadeia venha das operações de crédito — o que possui impacto direto negativo da alta da taxa Selic.

Durante a crise, o conservadorismo na gestão desse braço auxiliou a rede. Como resultado, houve expansão na carteira neste ano. No entanto, a renda em queda e juros altos afastam o consumo.

Além disso, vale destacar a venda de eletrodomésticos e eletrônicos em desaceleração. Esta também é outra área de atuação da Quero-Quero, porém, menos relevante que construção.

O CEO da rede Quero-Quero destaca que o eletro não teve um bom desempenho em novembro. Ele não acredita que a situação “no Natal irá mudar muito”. De qualquer modo, o executivo destaca que essa venda, para a varejista, é pequena.

Segundo Furukawa, as estimativas mais otimistas de investimento são baseadas no próprio modelo de expansão“de atuação em novas geografias no interior, e ser forte em serviços onde isso tem baixa concorrência”. O executivo diz que a companhia aguardará “para ver como 2022 evolui”.

CEO da Quero-Quero declara que a área de eletro nos teve bom desempenho em novembro, apesar do período de Black Friday
CEO da Quero-Quero declara que a área de eletro nos teve bom desempenho em novembro, apesar do período de Black Friday (Imagem: Montagem/FDR)

A Lojas Quero-Quero

Fundada em 1967, a Lojas Quero-Quero surgiu na cidade de Santo Cristo, no interior do estado do Rio Grande do Sul. Ela nasceu como uma pequena empresa de comércio e representações.

Segundo a companhia, o próprio modelo de negócio fez com que ela ficasse conhecida por disponibilizar uma solução integrada aos consumidores.

A Quero-Quero possui um portfólio de produtos de materiais de construção, móveis e eletrodomésticos. Assim, a rede varejista abrange a maior parte das necessidades dos próprios clientes no segmento casa e construção.

Além do segmento varejista, a companhia administra os cartões de crédito VerdeCard. A Quero-Quero ainda possui uma diversificada carteira de serviços financeiros. Desse modo, a empresa informa que traz uma solução completa, dentro do varejo, para os clientes.

Nos últimos anos, o foco da Quero-Quero tem sido o aperfeiçoamento das operações de loja, gestão de pessoas, estratégias comerciais, desenvolvimento de lideranças, controle de resultados pautado em fluxo de caixa, e investimento em tecnologia.

A rede possui 450 unidades. Os pontos estão localizados nos estados do Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso do Sul e Santa Catarina.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.