Auxílio emergencial e Brasil, vale gás e as estratégias de Bolsonaro para os vulneráveis

Pontos-chave
  • Governo Bolsonaro tenta reforçar laços sociais para reeleição em 2022;
  • População recebe vale gás e Auxílio Brasil ainda este ano;
  • Auxílio emergencial pode retornar em 2022.

Governo Bolsonaro reforça suas políticas públicas sociais como estratégia para reeleição em 2022. Nas últimas semanas, o Ministério da Cidadania vem anunciando uma série de projetos para a população vulnerável. O Auxílio Brasil e Vale Gás já estão em funcionamento, mas há ainda chances do retorno do auxílio emergencial em 2022.

publicidade

Diante da possibilidade de concorrer à presidência da república com o ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro vem reforçando sua agenda social.

O petista é conhecido mundialmente pela sua gestão voltada para os brasileiros mais pobres, enquanto o atual chefe de estado dialoga com empresários e bancários.

Por que Bolsonaro deve se importar com sua agenda social?

Para garantir a renovação de seu mandado nas eleições de 2022, Bolsonaro está ciente que precisa dialogar com a população mais pobre. No entanto, ele vem enfrentando um grande desafio, como efeito de sua própria gestão, que é o atual cenário de crise econômica com uma das maiores inflações da década.

publicidade

O gestor entende que nesse momento, considerando os impactos financeiros do país, é preciso fornecer assistência pública para minimizar a crise. Porém, há o grande risco de sua estratégia não ser o suficiente, tendo em vista as pesquisas eleitorais que já colocam Lula no topo das intenções de voto.

Vale gás para os mais pobres

Buscando uma popularidade entre os mais vulneráveis, Bolsonaro passou a anunciar uma série de projetos socais. O Vale Gás está entre eles é tem como objetivo conceder uma ajuda de custo para que os pobres consigam reabastecer seus botijões domésticos.

Seu valor médio é de R$ 52, o suficiente para quitar 50% de um botijão de 13kg que atualmente vem sendo vendido por aproximadamente R$ 105. O programa deve ser pago a partir do mês de dezembro, sendo voltado para os seguintes grupos e exigindo os critérios abaixo:

  • famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal (CadÚnico),com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo nacional (R$ 550);
  • famílias que tenham entre seus membros residentes no mesmo domicílio quem receba o benefício de prestação continuada da assistência social, o BPC, que prevê um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção nem a família.
  • Terão prioridade no pagamento as famílias com mulheres vítimas de violência doméstica que estejam sob o monitoramento de medidas protetivas de urgência e que se encaixem nos demais critérios para receber o benefício.
Auxílio emergencial e Brasil, vale gás e as estratégias de Bolsonaro para os vulneráveis (Imagem: FDR)
Auxílio emergencial e Brasil, vale gás e as estratégias de Bolsonaro para os vulneráveis (Imagem: FDR)

Auxílio Brasil como o novo Bolsa Família

O maior passo da agenda social de Bolsonaro foi a “reformulação” do Bolsa Família. Querendo criar um programa social com sua assinatura, o chefe de estado copiou o modelo do projeto gerenciado pelo PT, readaptando seus valores e acrescentando alguns abonos.

publicidade

O Auxílio Brasil começou a ser pago em novembro, com uma mensalidade de R$ 217. Porém, espera passar por um reajuste, mediante a validação da PEC dos Precatórios, de modo que possa aumentar seu valor para R$ 400.

Quem pode receber o Auxílio Brasil

  • Famílias em condição de extrema pobreza (renda mensal de até R$ 89 por pessoa, segundo o padrão atual do governo)
  • Famílias em condição de pobreza (renda mensal entre R$ 89 e R$ 178 por pessoa, segundo o padrão atual do governo) com gestantes ou pessoas com idade até 21 anos

Regras de concessão do Auxílio Brasil

  • Ter renda familiar per capita de até R$ 89; ou
  • Ter renda familiar per capita de até R$ 178 (no caso de famílias que tenham em sua composição gestantes, nutrizes, crianças e/ou adolescentes até 17 anos);
  • Estar inscrito no CadÚnico;
  • Estar com dados atualizados no CadÚnico há, pelo menos, dois anos.
publicidade

Renovação do Auxílio Emergencial

Na última semana, o chefe de estado solicitou também, ao Congresso Nacional, recursos para o possível financiamento de uma nova rodada do auxílio emergencial. O programa foi encerrado em novembro, sendo substituído pelo Auxílio Brasil, mas Bolsonaro não descarta a possibilidade de seu retorno.

Em entrevistas, afirmou que tudo depende dos desdobramentos econômicos de seu governo que neste momento aguarda a liberação dos parlamentares para a violação do teto de gastos por meio da postergação de suas dívidas públicas.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!