Quantos meses preciso trabalhar para receber R$ 1,2 mil no PIS/PASEP?

Após a suspensão do calendário de pagamentos do PIS/PASEP, os próximos depósitos serão liberados em breve pela Caixa Econômica Federal. A previsão é para que o abono salarial que pode chegar até um salário mínimo comece a ser liberado em janeiro de 2022. 

Quantos meses preciso trabalhar para receber R$ 1,2 mil no PIS/PASEP?
Quantos meses preciso trabalhar para receber R$ 1,2 mil no PIS/PASEP? (Imagem: FDR)

O calendário suspenso se refere àquele que deveria estar em vigor neste segundo semestre de 2021. No entanto, a decisão de prorrogar os pagamentos do PIS/PASEP foi tomada com o propósito de redirecionar a verba para o custeio do Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda (BEm). 

O BEm foi de extrema importância para que milhares de trabalhadores não enfrentassem a situação de desemprego em meio à pandemia. Pois, através dele houve a promoção da suspensão e redução temporária da jornada de trabalho e salário. Esta foi a alternativa encontrada para manter os postos de trabalho durante a crise. 

Mas diante da ansiedade dos trabalhadores brasileiros em receber o PIS/PASEP, os atrasados serão pagos a partir de janeiro de 2022, conforme previsto pela Resolução nº 896.

Os pagamentos serão correspondentes a cada exercício dos trabalhadores, respectivamente identificados com base nas informações sobre serviços prestados no ano base.

Desta forma, assim que os empregadores atualizarem a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) perante o Governo Federal, o abono salarial poderá pagar aos trabalhadores, um benefício no valor máximo de R$ 1.200. Será possível chegar a essa quantia após completar 12 meses de carteira assinada. 

É importante explicar que esse valor consiste na última estimativa de salário mínimo para 2022, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) que prevê um reajuste de 9,1%.

Portanto, é apenas uma previsão, que para se confirmar precisa ser regulamentada pela Lei Orçamentária Anual (LOA) quem ainda não foi definida.

Vale destacar que o pagamento do PIS/PASEP é gradativo, ou seja, é liberada uma determinada quantia a cada mês trabalhado. Desta forma, após um ano de serviço formal, é possível receber o valor total de R$ 1.200. Veja a seguir a simulação com base na estimativa de salário mínimo para 2022:

  • 1 mês: R$ 100;
  • 2 meses: R$ 200;
  • 3 meses: R$ 300;
  • 4 meses: R$ 400;
  • 5 meses: R$ 500;
  • 6 meses: R$ 600;
  • 7 meses: R$ 700;
  • 8 meses: R$ 800;
  • 9 meses: R$ 900;
  • 10 meses: R$ 1.000;
  • 11 meses: R$ 1.100;
  • 12 meses: R$ 1.200.

Mas o tempo de serviço não é o único requisito para receber o PIS/PASEP. O direito é concedido aos trabalhadores que se enquadrarem nos seguintes requisitos:

  • Estar cadastrado no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos;
  • Ter recebido remuneração mensal média de até dois salários mínimos com carteira assinada no ano-base;
  • Ter exercido atividade remunerada para pessoa jurídica, durante pelo menos 30 dias, consecutivos ou não, no ano-base considerado para apuração;
  • Ter seus dados informados pelo empregador corretamente na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS)/eSocial.

Por fim, é válido mencionar que o pagamento do abono salarial é dividido em dois grupos. O Programa de Integração Social (PIS) é direcionado aos trabalhadores da iniciativa privada, cujas parcelas são liberadas pela Caixa Econômica Federal (CEF).

Enquanto isso, o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (PASEP) é voltado aos servidores públicos e gerenciado pelo Banco do Brasil (BB).

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.