Trabalha com exposição a ruído? Veja como conseguir aposentadoria especial

Os trabalhadores que estão expostos a ruídos variáveis que buscam a aposentadoria especial do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) podem conseguir o benefício de forma mais simples, após novas regras.

Na última quinta-feira (18), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) definiu critérios para medir o nível de barulho a que os profissionais estavam expostos no período da atividade profissional e que podem garantir o benefício especial.

Haviam divergências na Justiça, pois os tribunais aplicavam diferentes entendimentos de acordo com o tema. Em muitos dos casos, eram usadas médias simples para fazer o cálculo do ruído quando havia diversos níveis de barulho.

Assim, a regra prejudicava o trabalhador. Essa decisão do STJ foi para que uma média por método específico seja mais vantajosa ao profissional.

O que foi definido?

Foi definido que para os períodos de tempo de serviço especial após o ano de 2023, o cálculo de ruído variável será realizado por meio do método conhecido como  Nível de Exposição Normalizado (NEN). Usando uma média ponderada que leva em consideração o tempo de exposição e o volume do ruído durante a atividade profissional.

O relator dessa ação, ministro Gurgel de Faria, determinou ainda na ação que, se a atividade especial somente for reconhecida no Judiciário e não houver indicação do NEN no Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) ou no Laudo Técnico das Condições Ambientais do Trabalho (LTCAT), deve ser feita uma perícia técnica e será considerado o critério do pico de ruído, ou seja, do nível mais alto de barulho. 

Neste cenário, podem se enquadrar os casos de empresas que já fecharam e que não informaram o NEN.

O relator destacou ainda que após a edição do decreto 4.882/2003, é que se tornou exigível no LTCAT e no PPP a referência ao critério do nível de exposição normalizada, que “avalia o nível de ruído e o tempo de exposição ao segurado em nível superior à pressão sonora de 85 decibéis, a fim de permitir que a atividade seja computada como especial”, disse ele.

De acordo com o ministro, caso não haja uma definição determinada de como essa medição deve ser realizada, o trabalhador sai prejudicado.

“Descabe aferir a especialidade do labor mediante adoção do cálculo pela média aritmética simples dos diferentes níveis de pressão sonora, porque é um critério que não leva em consideração o tempo de exposição ao agente nocivo durante a jornada de trabalho. Como não é colocado em voga o tempo de exposição, poderia uma pessoa estar sujeita a um determinado período de 100 decibéis e um outro de 20 decibéis e ia dar 60 decibéis de média e não daria direito [à aposentadoria por tempo especial, que exige mínimo de 85 decibéis]”, disse Gurgel.

Gostou do conteúdo? Siga @fdrnoticias no Instagram e FDR.com.br no Facebook para ver as últimas notícias que impactam diretamente no seu bolso e nos seus direitos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.