Petróleo: O plano de Biden e de países asiáticos para derrubar o preço dos combustíveis

Nesta terça-feira (23), o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou que ordenou a liberação de 50 milhões de barris de petróleo das reservas estratégicas do país. A medida acontece em ação conjunta com países asiáticos, como China, Japão, Coreia do Sul, Índia, além do europeu Reino Unido.

A aliança entre os Estados Unidos e outros países foi desenvolvida com o intuito  de causar uma redução nos valores desta commodity, segundo informado pela Casa Branca. A queda aconteceria por conta do aumento da oferta.

Atualmente, o presidente Joe Biden vem passando por baixos índices de aprovação. Vale destacar que, no próximo ano, acontecerão as eleições legislativas. Hoje, o país norte-americano enfrenta uma subida da inflação. Os valores da gasolina nos postos seguem aumentando nos Estados Unidos, pressionando os demais preços.

À AFP, um funcionário de alto escalão do governo norte-americano informou que o início da liberação acontecerá entre meados e final de dezembro. Como forma de responder à pandemia de covid-19, existe a possibilidade de haver novas intervenções — para estabilizar o mercado.

Caso seja necessário, essa fonte declarou que Joe Biden está pronto para tomar outras ações, e apto para utilizar sua autoridade. Dos 50 milhões de barris que serão liberados pelos Estados Unidos, 18 milhões serão comercializados diretamente nos próximos meses.

Já os 32 milhões entrarão no mercado em regime de “troca”. Isso porque, em alguns anos, eles serão devolvidos às reservas.

O plano de Biden para o petróleo acontece em resposta à Opep

A ação dos Estados Unidos acontece após a nação solicitar, repetidamente, à Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) para liberar mais petróleo. Os produtores deste cartel ignoraram os pedidos feitos pela nação norte-americana.

Segundo Louise Dickson, analista da Rystad Energy, à AFP, essa medida é uma clara mensagem à OPEP, dizendo “que ela não é o único ator no mercado de petróleo”. Essa organização influencia os preços do petróleo há mais de cinco décadas.

No dia 2 de dezembro, a Opep+ se organizará novamente. Contudo, segundo apurado pela Reuters, não indicação de que existirá mudanças de direção por parte do cartel.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.