Cinco estados que têm o maior valor de cesta básica no país

A última Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos divulgada pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), apontou que o preço da cesta básica brasileira teve um aumento em 16 das 17 capitais que participaram da pesquisa.

Cinco estados que têm o maior valor de cesta básica no país
Cinco estados que têm o maior valor de cesta básica no país. (Imagem: FDR)

A maior alta notada foi em Vitória, no Espírito Santo (ES), onde a cesta básica teve um aumento de 6% em comparação ao mês anterior. Em contrapartida, foi registrada uma queda de 0,85% na cesta básica de Recife, no Pernambuco (PE).

Embora a maior alta dentro de um mês tenha sido em Vitória, no cenário geral, a cesta básica mais cara é vendida na capital santa catarinense, em Florianópolis, cujo custo atual é de R$ 700,69. 

Em segundo lugar está a capital paulista que cobra R$ 693,79 pelo conjunto de alimentos básicos. Já a mais barata do Brasil está em Aracaju, capital do Sergipe (SE), a R$ 464,17.

Diante dos registros atuais foi possível identificar que em 12 capitais o custo atual da cesta básica equivale a mais da metade do salário mínimo líquido, que é de R$ 1.100 em 2021. Ou seja, a estimativa já considera o desconto padrão de 7,5% da contribuição à Previdência Social. 

Em todas as 16 capitais pesquisadas, os trabalhadores que recebem um salário mínimo tiveram um gasto de 58,3% com alimentos básicos no mês passado. Já em setembro, o valor comprometido com a cesta básica gira em torno de 56,53%.

No acumulado entre janeiro e outubro de 2021, foram notadas diversas variações no valor de uma cesta básica capaz de alimentar uma família composta por quatro pessoas, sendo dois adultos e duas crianças. Os valores foram muito discrepantes, sendo que a menor variação foi de 1,78% em Salvador, na Bahia (BA).

Em contrapartida, a maior alta aconteceu em Curitiba, no Paraná (PR) com 18,42%. Nos últimos 12 meses encerrados em outubro, o cenário se repetiu com a menor variação em Recife a 3,44% e a maior em Brasília (DF) a 31,65%.

Ao pesquisar mais a fundo para descobrir qual foi o causador da alta na cesta básica, observou-se que no mês passado, itens como a batata, o café em pó, o tomate, entre outros, foram os alimentos que mais se destacaram com o reajuste nos preços. 

Mas no geral, o preço do feijão recuou em 11 capitais, enquanto a carne bovina ficou mais barata pela primeira vez em nove capitais brasileiras. Veja a relação dos produtos mais caros na cesta básica:

  • Batata: 33,78%;
  • Café em pó: 10,14%;
  • Tomate: 55,54%;
  • Açúcar: 7,02%;
  • Óleo de soja: 3,22%;
  • Manteiga: 5,18%;
  • Leite: 2,98%.

Foi então que o Dieese também identificou que para ser capaz de custear todas as despesas básicas de uma família de quatro pessoas, o responsável precisaria receber um salário de R$ 5.886,50 em outubro. O valor considera gastos com despesas médicas, escolares, alimentícias, lazer e segurança.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.