CadÚnico: passo a passo para fazer inscrição e garantir entrada no Auxílio Brasil

Pontos-chave
  • Cadastro Único permite a inclusão no Auxílio Brasil;
  • Família deve eleger um representante para se inscrever no CadÚnico;
  • Auxílio Brasil pagará R$ 400 para inscritos no CadÚnico em 2022.

Nas últimas semanas têm havido várias novidades acerca do Auxílio Brasil, como a oferta de parcelas de R$ 400 já a partir do mês que vem. As afirmações têm deixado muitos brasileiros ansiosos para saber como se inscrever no programa, por isso, o Governo Federal informou que a porta de entrada será o Cadastro Único (CadÚnico).

CadÚnico: passo a passo para fazer inscrição e garantir entrada no Auxílio Brasil
CadÚnico: passo a passo para fazer inscrição e garantir entrada no Auxílio Brasil. (Imagem: FDR)

O anúncio sobre o meio de inscrição para o Auxílio Brasil não foi bem uma surpresa, tendo em vista que este é o método frequentemente utilizado pelos governos federal e estaduais para permitir a entrada em diversos programas sociais.

Auxílio Brasil

O Auxílio Brasil é a proposta do Governo Federal para substituir o tradicional Bolsa. No geral, o objetivo é o mesmo, amparar famílias de baixa renda em situação de vulnerabilidade social. O benefício tem o intuito de promover a segurança alimentar, educacional e esportiva. 

Após diversas propostas feitas no decorrer dos últimos meses, voltou-se à oferta inicial que previa o pagamento de parcelas no valor de R$ 400 para 17 milhões de beneficiários. Três milhões a mais do que o número de famílias amparadas pelo Bolsa Família hoje, que é 14,6 milhões.

Além disso, o Auxílio Brasil deve contar com benefícios complementares em um valor simbólico, que serão disponibilizados com base no perfil de cada beneficiário. São eles: 

  • Benefício Primeira Infância: será direcionado a famílias que em sua composição possuem crianças de zero a 36 meses incompletos.
  • Benefício Composição Familiar: é voltado a jovens com idade entre 18 a 21 anos incompletos, com o intuito de incentivar este grupo a continuar os estudos e concluir, pelo menos, um nível de escolaridade formal.
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza: se mesmo após adquirir o direito aos benefícios mencionados acima, a família não superar a condição de extrema pobreza, ela poderá receber um outro auxílio financeiro de acordo com a composição familiar.
  • Auxílio Esporte Escolar: voltado a adolescentes na faixa etária de 12 a 17 anos integrantes de famílias beneficiárias do Auxílio Brasil e que se destacam em competições oficiais do sistema de jogos escolares realizados por todo o Brasil. 
  • Bolsa de Iniciação Científica Júnior: paga a estudantes que tiverem um bom desempenho em competições acadêmicas e científicas. Será disponibilizada em 12 parcelas mensais sem limite de beneficiários por família. 
  • Auxílio Criança Cidadã: será disponibilizado para os pais ou responsáveis de crianças de zero a 48 meses com fonte de renda, mas que não encontrou vaga em creches públicas ou privadas da rede conveniada. 
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana: pago a beneficiários do Auxílio Brasil que comprovarem vínculo empregatício formal. 
  • Benefício Compensatório de Transição: destinado a famílias que recebiam o Bolsa Família, mas que perderam uma parte do benefício em virtude da transferência de cadastro para o Auxílio Brasil. Será disponibilizado somente durante o prazo de implementação do novo programa.

CadÚnico

O CadÚnico é um programa do Governo Federal que atua na coleta e análise de dados no âmbito municipal, estadual e federal. É por ele que acontece a inclusão de famílias de baixa renda em programas socioeconômicos. 

Quem deseja se inscrever no CadÚnico deve fornecer uma série de informações pessoais dele próprio e de cada membro familiar que reside na mesma casa. Por exemplo, situação de moradia e trabalho, grau de escolaridade, renda mensal, entre vários outros dados. 

Quem tem direito ao CadÚnico e como se inscrever?

A família que deseja se inscrever no CadÚnico deve apresentar uma renda mensal de até meio salário mínimo por pessoa, ou seja, R$ 550,00 ou três salários mínimos como renda familiar, R$ 3.300,00. 

Se o grupo familiar se enquadrar nas condições solicitadas, basta procurar o Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) mais próximo, situado no município em que reside. Vale ressaltar que é bastante comum ter mais de um CRAS espalhado pela cidade, com o objetivo de atender melhor cada região. 

Para se inscrever no CadÚnico é preciso:

  • Ter uma pessoa responsável pela família para responder às perguntas do cadastro. Essa pessoa deve fazer parte da família, morar na mesma casa e ter pelo menos 16 anos.
  • Para o responsável pela família, de preferência uma mulher, é necessário o CPF ou Título de Eleitor.
  • Exceção: no caso de responsável por famílias indígenas e quilombolas, pode ser apresentado qualquer um dos documentos abaixo. Não precisa ser o CPF ou o Título de Eleitor.

Além do mais, é essencial apresentar pelo menos um dos documentos a seguir de todos os membros da família: 

  • Certidão de Nascimento;
  • Certidão de Casamento;
  • CPF;
  • Carteira de Identidade (RG);
  • Certidão Administrativa de Nascimento do Indígena (RANI);
  • Carteira de Trabalho;
  • Título de Eleitor.

Também é necessário apresentar no ato da inscrição um comprovante de residência atual (dos últimos três meses). Pode ser uma conta de energia ou de água.

É importante que a família mantenha os dados atualizados em caso de qualquer mudança. A regra é que um novo cadastro seja realizado anualmente, com base na data da inscrição inicial. 

Se tratando de famílias indígenas ou quilombolas, torna-se necessária a apresentação da Certidão Administrativa de Nascimento do Indígena (RANI) ou Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.