Situações em que o INSS pode cancelar pagamento do salário do BPC

Pontos-chave
  • Atualização dos dados cadastrais pode evitar cancelamento do BPC;
  • Renda mínima para aquisição do BPC será alterada em 2022;
  • Benefício pago pelo INSS não requer contribuição previdenciária.

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) é pago a pessoas com deficiência (PCD) e idosos com 65 anos de idade ou mais. Embora não seja um benefício previdenciário, pois não exige contribuição à Previdência Social, ele é pago pelo Instituto Nacional do Seguro Social. 

Situações em que o INSS pode cancelar pagamento do salário do BPC
Situações em que o INSS pode cancelar pagamento do salário do BPC. (Imagem: FDR)

O BPC é responsável por amparar milhares de cidadãos brasileiros de baixa renda. No entanto, é bastante melindroso no que compete aos critérios de concessão e a respectiva manutenção para continuar recebendo o benefício. 

Quem tem direito ao BPC?

Antes de mais nada, o cidadão que deseja receber o BPC precisa estar inscrito no Cadastro Único (CadÚnico) do Governo Federal, e então, cumprir os seguintes requisitos:

  • Situações de vulnerabilidades das relações familiares;
  • Nível de oferta de serviços comunitários e a adaptação destes;
  • Carência econômica e os gastos realizados com a condição;
  • Idade;
  • Análise da história da deficiência;
  • Aspectos relativos à ocupação e potencial para trabalhar.

Outro critério essencial para a concessão do BPC é o cumprimento da renda mínima estabelecida pelo programa. Neste caso, é preciso se atentar a uma particularidade, pois originalmente, a renda mínima per capita a ser apresentada é de um quarto do salário mínimo, R$ 275.

Contudo, este valor irá vigorar somente até o dia 31 de dezembro de 2021. A partir do ano que vem, a renda mínima para aquisição do BPC passará a ser de meio salário mínimo, R$ 550, piso nacional vigente, que é de R$ 1.100, o que também resultou no impedimento de uma família com renda equivalente ao valor-limite receber este auxílio. 

Lista de doenças que concedem o BPC

Apesar do critério de concessão do BPC para idosos com 65 anos, esta condição unicamente, não é o suficiente para permitir o acesso ao benefício. Desta forma, o Governo Federal prevê que este cidadão se enquadre em uma das doenças listadas a seguir, para comprovar a real necessidade de um auxílio financeiro. 

  • Tuberculose ativa;
  • Hanseníase;
  • Alienação mental;
  • Neoplasia maligna;
  • Cegueira;
  • Paralisia irreversível e incapacitante;
  • Cardiopatia grave;
  • Mal de Parkinson;
  • Espondiloartrose anquilosante;
  • Nefropatia grave;
  • Estado avançado da doença de Paget (osteíte deformante);
  • Síndrome da Imunodeficiência Adquirida — AIDS;
  • Contaminação por radiação com base em conclusão da medicina especializada; e
  • Hepatopatia grave.

Para comprovar a existência de uma dessas doenças, o requerente do BPC terá de passar pela perícia médica do INSS. O procedimento será capaz de atestar a condição alegada, bem como a necessidade de um benefício extra para auxiliar nas despesas com medicamentos e outros insumos médicos, e em casos específicos, o auxílio de terceiros para executar atividades rotineiras. 

O que pode cancelar o BPC?

Embora pareça ser um procedimento comum, a concessão do BPC não é tão simples e fácil como parece. O mesmo vale para a manutenção do benefício que pode ser cortado a qualquer momento, normalmente o cancelamento do salário está relacionado a:

  • Descumprimento dos requisitos;
  • Falta de atualização do CadÚnico;
  • Irregularidades no cadastro;
  • Falta de documentação;
  • Posse de empresa pelo PCD;
  • Aquisição de emprego formal.

Nota-se que as regras que podem gerar o cancelamento do auxílio doença e do BPC são bastante simples de serem resolvidas. Basta manter a situação regularizada e ficar atento aos anúncios de pente fino do INSS. O procedimento é realizado com o propósito de identificar fraudes e pagamentos indevidos. 

Pente fino

O procedimento de verificação dos critérios de elegibilidade conforme mencionado acima, trata-se do pente fino do INSS, realizado, pelo menos, uma vez ao ano.

Ele prioriza a análise de benefícios por incapacidade, sobretudo, aqueles mantidos sem a perícia médica durante um período superior a seis meses, sem a determinação de uma data de cessação ou reabilitação profissional. 

Normalmente o foco do pente fino está voltado para:

  • Pessoas com deficiência que recebem o BPC e não comprovaram a baixa-renda ou a situação de risco social;
  • Auxílio-Doença ou Auxílio-Acidente recebidos antes de completar a carência necessária;
  • Beneficiários do Auxílio-Reclusão cuja renda ultrapasse o valor declarado quando da concessão do benefício;
  • Companheiros de falecido (caso de Pensão por Morte) em que não foi constatada a efetiva união estável antes do óbito do segurado.

Para evitar surpresas como o cancelamento do salário do BPC é muito simples, basta manter os dados cadastrais e todos os documentos médicos devidamente atualizados.

Veja a seguir a lista dos dados mais solicitados pelo INSS durante a fiscalização e que podem ser mantidos ou alterados a qualquer momento:

  • Documentos pessoais;
  • Comprovantes de endereço e residência;
  • E-mail;
  • Números de telefone;
  • Documentação complementar relacionada ao caso específico de cada benefício.

A transmissão dessas informações pode acontecer de três maneiras: presencialmente, pelo site ou pelo aplicativo Meu INSS.

Caso o beneficiário opte pelo modelo presencial, ele deve fazer o agendamento através da Central de Atendimento do INSS pelo número 135, e optar por “Entrega de documentos por convocação”.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.