Governo vê pressão em prorrogar auxílio emergencial após falha em outros programas

Pontos-chave
  • Governo federal avalia estender auxílio emergencial até 2023;
  • Iniciativa faz parte de estratégia política de Bolsonaro para reeleição;
  • Oposição do atual presidente é confirmada e carrega maior marca social do país.

Chances de extensão do auxílio emergencial aumentam cada vez mais. Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da economia, Paulo Guedes, se pronunciaram sobre o futuro social do país. Diante das dificuldades para a implementação de um novo projeto social, o governo avalia liberar o atual abono até 2023.

Governo vê pressão em prorrogar auxílio emergencial após falha em outros programas (Imagem: FDR)
Governo vê pressão em prorrogar auxílio emergencial após falha em outros programas (Imagem: FDR)

Há meses a população vulnerável vem sentindo medo com a possibilidade de encerramento do auxílio emergencial. O benefício vem contemplando mais de 30 milhões de famílias que foram afetadas pela covid-19.

Sua última parcela estava prevista para este mês de outubro, mas agora já se estuda a possibilidade de mantê-lo por mais de um ano.

 Auxílio emergencial até 2023?

De acordo com fontes internas do governo, Bolsonaro e Guedes estão se reunindo para estudar a possibilidade de prolongar o auxílio emergencial até 2023. Ainda não se sabe se haverá reajuste no valor da mensalidade, mas já se entendeu a motivação do presidente.

Com as eleições de 2022, Bolsonaro tem se mostrado cada vez mais ansioso para a implementação de um projeto social com sua assinatura. Desse modo, tentou a consolidação de três propostas: Renda Brasil, Renda Cidadã e Auxílio Brasil, não sendo nenhuma delas bem sucedida por não caberem na folha orçamentária da União.

Diante de todas as reprovações, o atual chefe de estado vê no auxílio emergencial uma garantia de estreitar laços com o eleitorado de baixa renda e assim tentar uma reeleição.

Qual a ameaça de Bolsonaro para cumprir sua agenda social?

Além de não conseguir fechar a contabilidade de sua gestão, o presidente se mostrou preocupado com sua oposição em 2022. O expresidente Luiz Inácio Lula da Silva já está trabalhando sua agenda política e deverá ser o principal candidato contra Bolsonaro.

O cenário, no entanto, é preocupante para o atual chefe de estado uma vez em que Lula é conhecido mundialmente pela sua forte política voltada aos pobres. Enquanto presidente, foi responsável pela implementação dos maiores projetos sociais do Brasil, como o Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, entre outros.

Lula é ainda referência na consolidação de políticas públicas como o Prouni e Fies que liberaram o acesso dos pobres as universidades públicas. O Sistema Único de Saúde (SUS) e o programa Mais Médicos também comprovam seu comprometimento em tirar o Brasil das margens da pobreza.

Desse modo, ciente do legado de seu opositor, Bolsonaro não irá descartar a possibilidade de extensão do auxílio, sendo sua única carta na manga para resolver o atual cenário social do país.

Governo vê pressão em prorrogar auxílio emergencial após falha em outros programas (Imagem: FDR)
Governo vê pressão em prorrogar auxílio emergencial após falha em outros programas (Imagem: FDR)

Auxílio Brasil ainda pode ser implementado

Mesmo sem a resolução de sua folha orçamentária, especula-se que o governo ainda esteja tentando encontrar brechas no orçamento para a implementação do projeto. Ele deveria conceder mensalidades de R$ 300 para mais de 17 milhões de famílias vulneráveis que teriam acesso aos seguintes abonos prometidos por Bolsonaro:

  • Benefício Primeira Infância: destinado a famílias com crianças que tenham até 3 anos (pago por integrante nessa situação)
  • Benefício Composição Familiar: destinado a famílias com gestantes ou pessoas entre 3 e 21 anos (pago por integrante nessa situação)
  • Benefício de Superação da Extrema Pobreza: voltado a famílias que se encontram em situação de extrema pobreza (com valor mínimo por integrante)
  • Auxílio Esporte Escolar
  • Bolsa de Iniciação Científica Júnior
  • Auxílio Criança Cidadã
  • Auxílio Inclusão Produtiva Rural
  • Auxílio Inclusão Produtiva Urbana

Quem terá direito de receber o Auxílio Brasil?

Se aprovado, o projeto será destinado para as:

  • Famílias em condição de extrema pobreza (renda mensal de até R$ 89 por pessoa, segundo o padrão atual do governo)
  • Famílias em condição de pobreza (renda mensal entre R$ 89 e R$ 178 por pessoa, segundo o padrão atual do governo) com gestantes ou pessoas com idade até 21 anos

Todas precisam estar obrigatoriamente inscritas no Cadastro Único para garantir a concessão das mensalidades. O procedimento de candidatura, no entanto, até o momento não foi divulgado.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.