Ministério divulga apoio ao novo método de cobrança do Imposto de Renda

Ao Ministério da Economia, o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos manifestou formalmente apoio à implantação de um novo método para o cálculo do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), considerando a realidade das famílias. A informação foi apurada pela Agência Câmara Notícias.

Ministério divulga apoio ao novo método de cobrança do Imposto de Renda
Ministério divulga apoio ao novo método de cobrança do Imposto de Renda (Imagem: Montagem/FDR)

O método para cálculo do IRPF se chama de “splitting”, e é adotado em alguns países da Europa. Além de considerar a realidade de cada família, o procedimento também leva em conta a respectiva capacidade contributiva.

A discussão a respeito da alteração foi realizada pela Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados nesta terça-feira (21). De acordo com a secretária nacional do Ministério da Mulher, Ângela Vidal Gandra Martins, o ministro da Economia, Paulo Guedes, considerou boa a proposta.

No entendimento da secretária, o método “splitting” é mais justo. Por exemplo, esse procedimento pode ser uma política que diminua a tendência de as famílias terem menos filhos.

Segundo o representante da Associação de Desenvolvimento da Família (Adef), Rodolfo Canônico, a França adota esse método sugerido.

Ele relata que os contribuintes solteiros, com renda anual de 80 mil euros, pagam aproximadamente 11 mil euros de IR. Já os casados com dois filhos, pagam 4 mil euros.

O professor de Direito Financeiro da Universidade de São Paulo, Heleno Torres, explicou que o intuito é aplicar coeficientes que diminuam o imposto conforme o número de filhos, cuidados com idosos, entre outras particularidades de cada família no país.

Por meio desse método, também haveria a correção do sistema atual. Por exemplo, o mecanismo de deduções com saúde tende a favorecer mais as famílias de renda maior.

Justiça fiscal relativa ao Imposto de Renda

Favorável à alteração das regras do IR, o professor do Instituto Brasileiro de Direito Tributário, Fábio Goulart, afirma que tributar uma pessoa por tudo que ela ganha talvez não seja o melhor critério de justiça fiscal. Porque vai ser preciso verificar como vive essa pessoa”.

“Então a gente tem que ver se aquilo que era uma riqueza aparentemente individual, ela acaba se diluindo entre todos os membros da unidade familiar”, completa.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do FDR produzindo conteúdo sobre economia.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA