Ministério da Saúde suspende vacina dos adolescentes e cidades reagem

Após um encontro entre o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o presidente da República, Jair Bolsonaro, a aplicação da vacina contra a Covid-19 em adolescentes passou por mudanças. Isso porque, Bolsonaro questionou Queiroga sobre a necessidade de vacinar os jovens na faixa etária de 12 a 17 anos sem comorbidades.

Ministério da Saúde suspende vacina dos adolescentes e cidades reagem
Ministério da Saúde suspende vacina dos adolescentes e cidades reagem. (Imagem: Gazeta do Povo)

Para o presidente, este grupo não apresenta riscos, no momento. Em explicação sobre o que, para ele, trata-se de uma sugestão dada a Queiroga, Bolsonaro disse que, não é uma “imposição, eu levo para ele o meu sentimento, o que eu leio, o que eu vejo, o que chega ao meu conhecimento”.

Foi então que durante uma coletiva de imprensa, informou oficialmente que todos os adolescentes que já iniciaram a imunização com a primeira dose da vacina, não devem completar o esquema vacinal com a segunda dose.

O ministro da Saúde lembrou que este público foi autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a se vacinar com a Pfizer.

Na época, também determinou-se que a prioridade deveria ser dada aos adolescentes com idade entre 12 a 17 anos com comorbidades, para somente então, liberar a imunização para o restante do grupo.

Ainda assim, estados e municípios tiveram total liberdade para adequar o cronograma vacinal de acordo com a realidade local, o que muitos fizeram já dando início à imunização dos jovens em geral.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, recorreu a estudos internacionais, que restringem o uso da vacina contra a Covid-19 em adolescentes sem comorbidades.

Por isso, decidiu revisar detalhadamente o banco de dados do DataSUS e atualizar a nota técnica 40 da Secovid e retirar este público do cronograma de vacinação nacional. 

Novamente, Bolsonaro fez questão de ressaltar que a conversa com Queiroga não foi uma imposição. Segundo ele, até mesmo a Organização Mundial da Saúde é contra a aplicação da vacina contra a Covid-19 em adolescentes. No entanto, a Anvisa se posiciona a favor fazendo esta recomendação, mas que, os órgãos nacionais não são obrigados a cumprir uma recomendação.

Queiroga ainda lembrou que a OMS recomenda a ampliação do cronograma vacinal para as pessoas em situação de vulnerabilidade. Ele também disse que os dados do DataSUS informam que até o momento, 3,5 milhões de adolescentes já foram imunizados com mais de uma vacina, embora somente a Pfizer seja oficialmente recomendada.

Diante da decisão federal, sete capitais brasileiras já anunciaram a interrupção da aplicação da vacina contra a Covid-29 em adolescentes. Tratam-se de Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Maceió, Natal, Manaus e Salvador. Em contrapartida, Rio de Janeiro e São Paulo optaram por manter a imunização deste público. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA