Itaú e Omie lançam plataforma de ajuda aos pequenos negócios

Em parceria com a Omie, o Itaú Unibanco se prepara para lançar uma nova plataforma de suporte à gestão de pequenas e médias empresas. Esta novidade que recebeu o nome de “Itaú Meu Negócio” terá diversos serviços voltados para os empreendedores. Como gestão de vendas e ordens de serviços, gestão financeira, emissão automática de notas fiscais e integração com contadores.

Itaú e Omie lançam plataforma de ajuda aos pequenos negócios
Itaú e Omie lançam plataforma de ajuda aos pequenos negócios (Imagem: LinkedIn Sales Navigator/Unsplash)

“O Itaú Meu Negócio Gestão by Omie será pilotado nos próximos meses com um grupo pequeno de clientes, e em breve será disponibilizado às demais empresas do segmento”, disse o banco. 

A plataforma será testada e quando estiver totalmente pronta, irá agregar novas soluções para atender as necessidades dos usuários. A ideia é que futuramente sejam implantadas opções de pacotes de funcionalidade para empresas de todos os portes.

“No futuro, a ideia é que o Itaú Meu Negócio Gestão também disponibilize produtos e serviços como crédito, antecipação, seguros e consórcios, oferecidos tanto pelo Itaú como por outras empresas – startups inclusive”, concluiu o Itaú.

Sebrae revela que três em cada dez MEIs fecham em até cinco anos de funcionamento

Através da pesquisa “Sobrevivência de Empresas”, feita pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas) foi revelado que três em cada dez empresas MEI em todo Brasil, fecham as portas em até cinco anos. A taxa de fechamento de negócios desta categoria é de 29%.

Dentro deste mesmo intervalo, as microempresas possuem uma taxa de falência de 21,6%, enquanto as de pequeno porte, de 17%.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Você foi selecionado para ter um cartão de crédito, sem anuidade hoje mesmo.
Faça sua aplicação!
277 pessoas solicitando no momento...

Segundo Carlos Melles, presidente do Sebrae, a pesquisa mostrou que quanto maior for o porte da empresa, mais chances ela tem de sobreviver. Isto acontece muitas vezes por conta do empresário possuir um melhor preparo e por optar por empreender por opção e não necessidade. 

“Entre os microempreendedores individuais há uma maior proporção de pessoas que estavam desempregadas antes de abrir o negócio e que, por isso, se capacitam menos e possuem um menor conhecimento e experiência anterior no ramo que escolheram, o que afeta diretamente a sobrevivência do negócio”, explicou Melles.

Outro ponto que pode impactar essa taxa de fechamento de empresas MEI é a facilidade de se abrir e fechar esse tipo de negócio, diferente do que acontece com às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. 

A dificuldade de se conseguir crédito para manter o capital de giro e de conseguir superar as dificuldades do mercado também influencia.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.