Hora de comprar a casa própria? Conheça cenário atual para financiamento

A atual crise econômica e o aumento da taxa básica de juros, a Selic, preocupa quem está em busca de financiamento imobiliário. Por conta disso, muitos se perguntas se está na hora de comprar a casa própria. Entenda o cenário atual para financiamento no país.

Hora de comprar a casa própria? Conheça cenário atual para financiamento
Hora de comprar a casa própria? Conheça cenário atual para financiamento (Imagem: Tierra Mallorca/Unsplash)

Neste ano, a taxa Selic iniciou com a mínima histórica de 2%. Dessa forma, o acesso ao crédito estava mais fácil. No entanto, a taxa básica de juros tem apresentados reajustes.

Atualmente, a Selic está em 3,5% ao ano. Apesar deste cenário, acrescido à crise financeira, há especialistas com visão positiva sobre o momento atual.

Entenda se está na hora de comprar a casa própria

De acordo com especialistas no setor apurados pelo Correio Braziliense, a perspectiva é de que os bancos não repassem os juros ao comprador.

O presidente da Associação de Empresas do Mercado Imobiliário do Distrito Federal (Ademi-DF), as perspectivas são de que não haverá alta nos juros do financiamento no médio e longo prazo.

Mesmo que as taxas cheguem a 5,5%, ele entende que estarão abaixo dos padrões praticados pelo país.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
OPORTUNIDADE
imagem do cartão
Você foi selecionado para ter um cartão de crédito, sem anuidade hoje mesmo.
Faça sua aplicação!
277 pessoas solicitando no momento...

Aroeira destaca que há diversas modalidades de crédito, como o pré-fixado (sem impacto com as mudanças da Selic), atrelado a poupança (com a possibilidade de leve oscilação) e o tradicional — com parcelas fixas, que também não se altera.

O diretor de Negócios do Banestes, Hugo Gaspar, à Gazeta, alegou que a Selic nunca esteve tão baixa. Mesmo com o valor chegando a 3,5% ainda assim, ele entende que é bastante atraente. Segundo ele, a pessoa que comprar um imóvel agora garante pagar par o financiamento com a menor taxa possível.

Além da Selic, a Taxa Referencial (TR) — indexador importante para compor as taxas das instituições financeiras — também apresentou pequena variação nos últimos anos.

Apesar disso mesmo com a situação, vale estar atento se o orçamento e o financiamento comprometerão muito a renda.

Sinal de alerta para o mercado imobiliário residencial

Para Gustavo Favaron, Managing Partner do GRI Club, ao Estadão, o forte aumento da taxa Selic já começa a impactar as condições de financiamento imobiliário disponibilizadas pelos bancos. Ele alega que quanto maiores os juros, maiores serão as parcelas mensais.

De forma geral, Favaron destaca que os 32% do IGP-M acumulado nos últimos 12 meses preocupam o mercado imobiliário. O índice que acompanha os gastos da construção civil, o INCC, aumentou mais de três vezes no acumulado dos últimos 12 meses — acima da inflação oficial.

Ele também ressalta que o valor dos terrenos e lotes em geral aumentaram. Com a demanda imobiliária aquecida, Favaron afirma que os preços inflacionados serão repassados ao consumidor final.

Por um lado, há a correção no preço dos imóveis residenciais. Por outro, no entanto, ele indica o achatamento do poder de compra do consumidor.

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Possui experiência em produção textual e, atualmente, dedica-se à redação do FDR produzindo conteúdo sobre economia.