Três estados que liberaram vale alimentação escolar para as escolas públicas

Pontos-chave
  • Alguns estados brasileiros estão pagando vale alimentação para as crianças;
  • Isso por conta da pandemia que suspendeu as aulas e assim os alunos acabaram ficando sem merenda;
  • O valor é depositado e pode ser gasto em mercados de cada estado.

Três estados brasileiros liberaram o vale alimentação escolar para as escolas públicas. A previdência foi tomada por conta do avanço da pandemia causada pelo novo coronavírus, em que não há previsão de volta às aulas.

Três estados que liberaram vale alimentação escolar para as escolas públicas
Três estados que liberaram vale alimentação escolar para as escolas públicas(Imagem: Reprodução/Google)

Bahia

Na última segunda-feira (8), o governador Rui Costa anunciou que o estado vai voltar a realizar o pagamento do vale-alimentação estudantil no valor de R$ 55, que será oferecido como forma de compensar o não recebimento da merenda escolar. O benefício será pago para os estudantes da rede estadual de ensino.

O pagamento começou a ser realizado no período de suspensão das aulas e mesmo com o anúncio não foi definida uma data para que o pagamento retorne a ser feito. 

De acordo com o governador “Nós vamos voltar, esse mês, com o auxílio alimentação que nós damos aos 800 mil alunos da rede estadual. Hoje [segunda, 8] pela manhã vamos definir a data com o secretário da Fazenda e o secretário da Educação”, disse.

O cartão vale-estudantil é usado para a compra de alimentos. Todos os estudantes que estão matriculados regularmente recebem o benefício. Essa compra pode ser realizada em qualquer mercado da Bahia. 

Se tiver algum problema o estudante deve procurar a escola onde estuda ou ligar para o telefone 0800 284 0011, pelo e-mail ouvidoria@educacao.ba.gov ou pelo Fale com a Ouvidoria, disponível no Portal da Educação.

Três estados que liberaram vale alimentação escolar para as escolas públicas
Três estados que liberaram vale alimentação escolar para as escolas públicas(Imagem: Reprodução/Google)

Alimentação escolar no Pará

Desde fevereiro, o estado do Pará está pagando a 8ª recarga do vale-alimentação escolar, de forma escalonada, para os 576 mil alunos da rede estadual de ensino. 

No começo, o benefício foi liberado para os estudantes da Região de Integração do Guajará, que abrange os municípios de Ananindeua, Belém, Benevides, Marituba e Santa Bárbara do Pará.

Os pais e alunos podem comprar com o dinheiro alimentos, produtos de higiene e limpeza e outros, que vão favorecer os membros da família.

Vale alimentação

O vale foi criado em abril de 2020, por iniciativa do governo do estado, com a intenção de garantir a merenda escolar dos 576 mil estudantes paraenses, mesmo com a suspensão das aulas presenciais, no dia 18 de março de 2020.

Com mais essa carga os alunos receberam o valor total de R$ 640. Desde o início, essa ação de Governo já representa um investimento de R$ 357 milhões, com recursos oriundos do Tesouro Estadual.

A 7ª recarga foi para os alunos da Região de Integração do Araguaia, Baixo Amazonas, Carajás, Guamá, Lago de Tucuruí e Rio Caeté, passou a ser feito pela empresa Maxx Card.

Distrito Federal

Hoje, domingo (14), é o prazo final para as famílias do cartão alimentação escolar do Distrito Federal realizarem as compras.

O primeiro prazo seria finalizado em 12 de fevereiro, mas foi prorrogado por mais um mês.

No cartão é depositado um valor que pode ser gasto pelas famílias em estabelecimentos credenciados para a compra. O Distrito possui ainda outro cartão, o de alimentação creche. 

De acordo com o Banco de Brasília (BRB), cerca de 6.251 cartões Alimentação Escolar não foram utilizados totalizando um recurso parado de R$ 7.578.560,78. O cartão alimentação creche também teve 341 benefícios sem uso, um total de R$ 407.954,27.

As famílias que não possuem a informação se foram contempladas ou se possuem créditos podem ligar para o número  do  BRB, 3029-8440. Além disso, é possível baixar o aplicativo BRB Card Pré-pago e ter todos os detalhes dos recebimentos e gastos.

Cartão Alimentação escolar e Alimentação Creche

Os dois programa foram criado no mês de março do ano passado, como uma medida adotada pela capital para enfrentar a pandemia causada pelo novo coronavírus e os impactos que foram gerados pela crise.

A intenção era proteger o alimento e a nutrição que são recomendadas no dia a dia das crianças que estão em idade escolar, mesmo que durante a suspensão das aulas presenciais.

O dinheiro depositado foi o equivalente ao período letivo de 2020, o mês de janeiro acabou. Mas por haver muitas famílias que ainda não tinham usando todo o valor repassado, o BRB decidiu prorrogar o prazo por mais algum tempo. 

Jheniffer FreitasJheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.